Aba_horizontal

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Léon Degrelle...



Hitler não era pagão

Jornalista :Você era um líder de um movimento nacionalista belga que se reclamava do catolicismo. Não havia contradição com o seu apoio aos lados das armadas hitlerianas ?

Degrelle : Toda a gente se engana lá a propósito de Hitler. Ele era intensamente crente e invocava regularmente o nome de Deus. Ele era de formação cristã, ele tinha mesmo feito parte do coro da Igreja local. Certos líderes nacionais-socialistas eram hostis à Igreja, sobretudo Bormann e Himmler, para não falar de Rosenberg, mas as suas influências sobre Hitler eram praticamente nulas. Ele não tomava a sério as buscas de Himmler sobre as antigas religiões germânicas e a sua política foi muito favorável à Igreja católica, mesmo se esta forneceu em seguida os rivais mais determinados ao regime.

Encontrei-o numa manhã quando me preparava para ir à comunhão, e quando lhe fiz parte da minha intenção – eu gostava muito de provocar os meus interlocutores alemães, era uma maneira de exprimir a minha independência deles - , ele não ficou surpreendido e respondeu-me que a sua Mãe adoraria acompanhar-me se ainda fosse viva, e o que contou Kubizek nas suas Memórias é muito revelador. A minha religião não me parecia nada contraditória com a minha adesão aos princípios e ideias avançadas por Hitler, e ele compreendia muito bem, ao ponto que um dia fez-me esta declaração : “Se eu tivesse um filho, gostaria que ele fosse como tu...(1)

Hitler não tinha intenções de moldar o Cristianismo, e ria-se das teorias pagãs!

Quanto a Hitler, sublinha Degrelle, ele não era ateu, e ele não tinha planos para guerrear com as religiões.

A sua maneira de pensar era muito moderada, e ele explicou-me um dia : “Eu não quero organizar nenhuma persecução religiosa. Se me fazem problemas ao nome da religião, brigas políticas, farei face com vigor. Mas não é assim que virá o enfraquecimento das religiões. Estou convencido que daqui a 100 anos, ou 200, a ciência terá feito tais progressos, esclarecido tantos mistérios, dado explicações naturais e lógicos aos problemas do homem e da criação que a influência das Igrejas será fortemente reduzida ou virtualmente eliminada. Acho mais lógico crer nesta evolução.

Um dia em que lhe fiz remarcar que ele tinha à volta dele vários teóricos anti-religiosos muito em voga, por exemplo Rosenberg, o autor do “Mito do séc.20”, ele respondeu-me : “Léon, já leste esse livro ? Eu, nunca consegui!”.

Nós desatamos a rir, porque, eu também não, nunca tinha conseguido passar da primeira dezena de páginas de textos estúpidos. Hitler deixava os caga-cópias confusos trabalhar, aqui e acolá ao seu redor. Isso dava ares de intelectual ao Movimento. Quando as pessoas não compreendiam (porque era incompreensível!), eles mexiam a cabeça e murmuravam : é profundo!

No Rex, eu possuía em reserva essas teorias consagradas em que nunca tinha lido uma linha. Elas explicavam gravemente, na capa, aos amadores de adivinhas políticas, as finezas distorcidas e subtis da minha doutrina – que era simples como um ovo com casca, e gozava com essas filosofias distorcidas !

Hitler fazia-me rir dizendo que ele agia exactamente como eu com essas impressionantes filosofias! (2)

Hitler, Mussolini e Salazar

Enquanto homens, Hitler e Mussolini eram bem diferentes. O povo alemão e o povo italiano eram diferentes. Enquanto doutrinas, o fascismo e o nacional-socialismo eram diferentes.

Se os dois principais movimentos “fascistas” da Europa, esses mesmo que se içaram ao poder em Roma e Berlim... pareciam já assim tão distintos um do outro, que dizer então dos outros “fascismos” surgidos na Europa, que fosse na Holanda ou em Portugal, na Roménia, na Noruega ou em outros lados! ….

Por outro lado, o “fascismo” em Portugal era sem paixão, como o era o seu mentor, o Pr. Salazar, um cerebral, que não bebia, não fumava, vivia como um eremita, vestido como um pastor, fixava os pontos da sua doutrina e etapas da sua acção tão friamente como se comentasse as leis romanas.

Ao lado do Hitler proletário, do Mussolini teatral, do Salazar professoral... (3)

Notas:
(1)Pourquoi j'ai cru en Hitler”, p.5
(2) - Degrelle m'a dit”, p.384-85
(3) - Hitler pour mille ans”, p.9,10
==================

Como bem dá a entender Degrelle, cada país tem a sua mentalidade e a sua maneira de conceber o nacionalismo. De um Hitler liberal, passamos a um Salazar anti-liberal. O primeiro deixava ás empresas terem campo livre para negociarem, inovarem como desejarem, conquanto não abusem dos limites impostos por lei, o segundo já entendia que tudo devia ser nacionalizado e o que se construisse seria por conta e propriedade do Estado. Hitler não tinha posição religiosa, embora respeitasse muito o Cristianismo, e Salazar era profundamente católico, tanto que o Estado era governado em total acordo com a doutrina da Igreja, sem mexer uma virgula.

É pedir demais que sejamos como os alemães, que têm um espírito matemático, lógico, racional e onde a ordem e organização é lei. Já não é a mesma coisa com o português, mais desordeiro, mais tendência para o espiritual que para o racional, mais agarrado ás coisas antigas, e portanto menos tendência a inovar. E isto é notório em todos os aspectos da vida. Basta ver a diferença entre Salazar e Hitler, cada um deles é uma imanência do espírito do seu povo.

Quanto aos paganismos, isso pelos vistos era os desenhos animados para Hitler rir-se de vez em quando! Devia ser uma autentica macacada naquele tempo, como o é agora. Hitler devia apanhar ataques de riso.

97 comentários:

  1. Sinais alarmantes " cada vez mais judeus saem de Israel para instalarem-se em Berlim, capital da Alemanha... nos últimos 15 anos cerca de 100 mil passaportes alemães foram livrados a cidadãos de Israel... nos últimos anos este numero não cessa de aumentar... só nos últimos 2 anos foram cerca de 15 mil a 25 mil os judeus que se instalaram em Berlim..."

    http://www.vsd.fr/actualite/reportage-berlin-nouvelle-terre-promise-pour-les-israeliens-13647

    Óh óh, a parasitagem está a chegar em força. Quando começam a chegar em massa, é muito mau sinal para os alemães. A economia vai levar um rombo e as desigualdades e injustiças vão aumentar. Isto já se passou! Isto é uma repetição da história, basta olharmos para os finais do séc.19, aconteceu exactamente a mesma coisa. Puseram a economia de pernas para o ar, sugavam a riqueza toda, enquanto os alemães morriam de fome e dormiam na rua. E para ajudar a empurrar mais para a miséria, têm a ajuda desses ditos "refugiados"...

    ResponderEliminar
  2. Brasileiro Patriota 8818 de maio de 2016 às 15:41

    Nesse exato momento aqui no Brasil em uma rádio de São Paulo, o seu conterrâneo o cantor Roberto Leal está a defender a bandida Dilma Roussef nossa ex-presidente e a escumalha judaica e dizendo que o 25 de abril em Portugal foi a "libertação" contra os fascistas. Meu Deus do céu, imaginava que esse gajo fosse patriota e tivesse repúdio pelos traidores da nação que entregaram vosso país nas mãos da judaizada e da escória vermelha. O patife ainda tem a cara de pau de defender um ex bandido guerrilheiro comunista(da época do regime militar brasileiro) que foi condenado hoje aqui no Brasil a 23 anos de prisão, o José Dirceu dizendo que ele "lutou por liberdade assim como nós em Portugal lutamos por democracia". Não é a toa que o Roberto Leal se identifica com o Brasil e a escumalha judaico-marxista. O cara adora os comunistas. Me decepcionou esse débil mental. A única coisa que ele falou na entrevista é que os brasileiros tem o costume errado de acusar Portugal de ter roubado o ouro do Brasil e ter escravizado os índios. Mas de resto lambou os bagos da escumalha comunista.

    ResponderEliminar
  3. Aqui oque acontece quando se dá moral a mestiços infiltrados que tem como objetivo destruir a causa pro branca enquanto lucra-se com isso .

    http://newobserveronline.com/important-announcement/#comment-687111

    No no link acima , nao foram citados nomes e nem endereços , mas basta 2 minutos de investigacao para chegar aos culpados ,ou melhor ,ao culpado : Andrew anglin . fundadador e proprietario do dailystormer ,infostormer e dailyslave. Sites que ,descaradamente ,promovem o nazismo-hollywoodiano e a detuparcao do conceito de raca branca.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu aviso sobre esse site, dito "dailystormer", não é nada carinhoso. Eu penso que esse gajo é simplesmente pago para estar ali e encobrir certos pontos que precisariam de ser melhor compreendidos. Não sou de ir visitar esses sites, os que tenho aí nas minhas preferências chegam-me e sobram-me. Mas uma ou outra vez fui lá, e só dou com bacuradas e engano.

      Tenho na memória um artigo, já não me lembro qual, em que ele diz que os judeus querem e desejam refugiados para passarem despercebidos na sociedade europeia. Nada pode ser mais mentira, grande aldrabão esse Anglin ou lá o que seja. Os judeus dizem mesmo à cara podre que todo o goy deve reconhecê-los como o "povo eleito", eles não se escondem praticamente de mais nada, dizem e fazem tudo à luz do dia. Se eles afirmam que todo o goy deverá beijar-lhes as solas dos sapatos, então onde está o sentido desse batráquio afirmar que eles querem passar despercebidos graças a esta massa de imigrantes ?

      Acho esse site muito medíocre, do mais medíocre que pode haver, está a anos-luz de um "occidentalobserver". Sobretudo da maneira como trata as outras raças, não me parece lá muito adequado, sobretudo de quem se diz ser nacional-socialista. Deve-se ler os seus artigos com um pé à frente e outro atrás. Tem coisas boas, mas muita merda à mistura.

      Eliminar
    2. "Acho esse site muito medíocre, do mais medíocre que pode haver"


      àparte divergências sobre Nietzsche ou cristianismo, não podia concordar mais com isto, e que "perdoem" os simpatizantes do Anglin.

      estou a cagar se ele é 100% branco ou não, isso não me interessa nada, nem é esse o problema dele.

      o problema dele é que é um ex-neocon que pensa que é NS.
      claro que as pessoas podem mudar, as coisas não são imutáveis, mas quando se tenta mudar tão de repente de uma ideologia (neocon) para outra radicalmente diferente e até quase oposta (NS), o resultado só pode ser este.
      ele não é NS, pois ele nem sabe o que verdadeiramente é o NS.

      como vocês dizem, ele promove nazismo de hollywood, racismo primário e já abandonou a democracia em grande parte, mas continua com aquela coisa do livre-mercado e do conservadorismo.

      o problema do capitalismo é precisamente esse. mais do que os problemas económicos que trás (e trás mesmo muitos), o que o capitalismo faz mais é emburrecer as pessoas e mediocrizar as pessoas.

      sei que há poucos anos, ele e mais outros, andavam atrás da Sarah Palin. e o Anglin ainda continua com uma certa simpatia, não só pelo Trump, mas também pela Sarah Palin e outros "neocons".

      de que adianta dizer-se "anti-democrata", mas depois na prática andar a apoiar neocons republicanos, sempre que surge uma eleição qualquer, porque "não há melhor" e outros argumentos assim?

      o "dailystormer" é tipo um jornal online só para notícias e informação. não dá para mais. não tem ideias, textos, nada...é só notícias mesmo. e muitas delas irrelevantes ou medíocres.

      os palpites do Anglin sobre as estratégias dos judeus, ou os palpites do Anglin sobre o Putin, não devem ser levados a sério.
      tal como grande parte das coisas que ele diz.
      claro que, às vezes, acerta, como toda a gente.

      ah e aquela teoria dele do "alpha male" e das mulheres, também não concordo. pelo menos, não daquela forma primária, básica e machista.

      a teoria do macho alfa tem algo de verdade, mas deve ser relativizada e não pode ser encarada de forma "hollywoodesca" e primária, à la neoconservador, que é o que ele faz.

      é como a cena do racismo vs racialismo.
      ele distorce ou radicaliza a teoria do macho alfa, pinta as mulheres como se fossem lixo, e depois quem não concordar é "gay" ou "fraco".

      ora, isso não passa de neoconservadorismo disfarçado de "fascismo".

      Eliminar
    3. «o "dailystormer" é tipo um jornal online só para notícias e informação. não dá para mais.»

      Nisso estou de acordo, não passa mesmo disso, e mesmo assim, ler com pinças. Mas sinceramente, não aconselho a se ver esse site, tem-se muito melhor por aí, largamente acima em qualidade, que trata de questões de fundo e com análises mesmo do topo, feitas por pessoas de experiência com peso da idade, etc, tudo isso conta.

      Eliminar
    4. exacto. eu até já tirei esse site da minha barra lateral.
      há tantos mas tantos sites superiores àquilo...
      até há sites que nem são nacionalistas, muito melhores para ler.

      só o tinha lá, para colher informações, notícias, etc

      Eliminar
    5. aliás, eu esqueci-me de dizer algo. o Andrew Anglin ultimamente já chegou mesmo ao cúmulo de fazer 1 ou 2 artigos a dizer que uma boa parte dos judeus, podem ser nossos aliados, porque também são brancos-caucasóides e tal...
      obviamente não disse TODOS os judeus, mas disse boa parte. (fui honesto com ele, não precisei de deturpar as suas palavras)

      achei agora um desses artigos e tudo:
      http://www.dailystormer.com/its-time-to-recognize-many-jews-are-white-and-ally-with-them/

      isto é o que acontece, quando a pessoa continua com mentalidade neoconservadora e racista primária.
      a pessoa começa a ceder aos poucos, e a encarar o problema judeu como "secundário" ou "relativo", devido ao racismo primário contra negros, hispânicos, àrabes, etc, porque os judeus normalmente são mais "clarinhos" e tal.

      Eliminar
    6. Que estupidez, esse gajo está aí para enganar, atenção com ele.

      Lembro-me bem de umas palavras do Ryssen, no tempo da Andaluzia, eles os judeus, puseram-se ao lado dos muçulmanos, porque achavam que não tinham muitos direitos com os Visigodos. Depois veio um Califa, dos duros, que lhes começou a fazer a vida negra, os mesmos de sempre já se meteram ao lado dos cristãos, porque achavam que não tinham muitos direitos com os muçulmanos. E é exactamente a mesma coisa agora, primeiro apoiaram a imigração massiva de muçulmanos, vendo que estão a ter problemas, já começam a acariciar com boas palavras, a passarem da esquerda para a direita, e porem-se ao lado dos Europeus para combater esses mesmos muçulmanos que eles mesmos puseram aqui.

      O judeu muda sempre de campo conforme as conveniências, e palhaços como esse gajo, ainda ajudam a enganar milhões de pessoas. Que falsidade. É impressionante como as pessoas são mantidas na cegueira a seguirem esses enganadores. Isto está tudo invertido, tudo de pernas para o ar.

      Eliminar
    7. Gang, o Anglin é um homem imperfeito, não é uma criatura perfeita, isso não existe, ele preenche um campo demográfico importante. Os neonazis eram e são ainda bastante influenciados negativamente, a meu ver, ele procura, fazendo muito uso da ironia, orientar esse pessoal para o essencial. Ninguém no seu perfeito juízo acredita que os neonazis o vão deixar de ser da noite para o dia. Ele não tem de agradar a pessoal instruído com mais de 30 anos, nem tem de ser taciturno ou intelectual. A função dele é a de espalhar a mensagem num grupo especifico, ele é muito bom nisso.
      Ele não é um mentor, ele pretende promover uma linha estratégica que a meu ver não tem nada de estranho, a estratégia é 1-denunciar e identificar o inimigo, 2-combater o inimigo, simples, básico e eficaz.
      Ele é como nós, não é dissimulado, é transparente e diz a verdade, é isto que importa, haver separação entre os verdadeiros resistentes e a merda dissimulada pseudo-nacionalista, essa merda é que devia ser atacada e não aqueles que fazem resistência a sério.
      Se queres mentores, tens vários,
      Para uma influência nacionalista proveniente do establishment, tens um Pat buchanam
      Para uma influência mais religiosa cristã, tens o David Duke,
      Para uma influência mais académica, tens um Jared Taylor
      para uma Influência mais profunda e filosófica, tens William Pierce,
      (etc)
      O Anglin, é um jovem que não pretende ser um mentor, ele apenas pretende espalhar a mensagem nacionalista nos jovens Americanos dentro de uma matriz o mais abrangente possível. Está a ter bastante sucesso, sim, era preferível que sites com mais qualidade editorial tivessem mais protagonismo e aderência que o dailysotrmer, mas o problema é que na era das redes sociais e do liberalismo, isso não vai acontecer nunca. As pessoas preferem ler textos curtos, irónicos e modernos. É assim que é, não adianta esbracejar contra a realidade.
      E é preciso perceber a ironia, por exemplo, neste link que foi usado para o atacar:
      "http://www.dailystormer.com/its-time-to-recognize-many-jews-are-white-and-ally-with-them/"
      Quem usou esse link, simplesmente não percebeu ou agiu com malícia, neste texto ele estava a ironizar que não se deve conceder nunca na questão judaica. Nas questões essenciais o rapaz até está correcto, então porquê toda essa agressividade e negativismo?
      No fim do texto ele diz:

      “April Fools, faggots!
      I hate the kikes! All kikes!
      I don’t care how hot Leo’s Jew GF is – these are stolen genes! She’s a shape-shifter! Odo from DS9!
      I also hate homos! I do not tolerate!


      Quem não entendeu a mensagem não leu até ao fim.

      Ele denuncia a judiaria, é pela liberdade das nações Europeias, defende o mérito e não o igualitarismo pela preservação das raças.
      Isto não é o prioritário?Não é o que queremos todos nós? Se andarmos sempre a apontar falhas uns aos outros vamos a algum lado? Não és daqueles que faz criticas destrutivas, por isso, mantém essa linha, aqueles que o vejo criticar não conseguem fazer melhor, isto é um facto, Abençoadas as mãos que fazem e não as bocas que apregoam.

      Eliminar
    8. Quero acrescentar que o Daily Stormer não é um site apropriado para pessoal com um nível de conhecimento algo aprofundado, ou com uma idade acima dos 30 anos.

      O que me interessa a mim relativamente ao dailystormer é que aquilo seja eficiente e que retire aos liberais o monopólio do humor.

      É isto que importa perceber, o humor e a ironia é um poder, usar esse poder é bom e só os tolos é que não entendem isto.

      Eliminar
    9. ah e já encontrei em alguns sites o meu pseudónimo a ser usado, por isso, deixo aqui um alerta que só escrevo neste blogue, decidi não dedicar nem 1 segundo a mais na minha vida a escrever em blogues e a perder tempo.

      Mas também escrever em blogues nacionalistas portugueses é difícil, porque só há este e mais o hyperborea, de resto é tudo uma miséria deprimente.

      Eliminar
    10. @Vasco

      Eu até posso compreender, que nós temos tendência a ver todos os assuntos de uma perspectiva, digamos, conforme a nossa idade e assim mal compreender, ou tirar conclusões que por vezes não possam ser muito correctas, das atitudes desta geração de agora, desta juventude.

      É verdade, que quanto ao que dizes, artigos pequenos e fáceis de ler, numa linguagem jovial, são bem aceites e rapidamente assimilados, é esse o caso desse Anglin. Nós gostamos dos assuntos bem aprofundados e analisados ao pormenor e por isso entendemos mal essa maneira de proceder, que nos parece algo, mais como um sinal da decadência intelectual que atinge já a nossa juventude. Basta vermos a linguagem que eles utilizam hoje em dia, a música que eles escutam, etc, etc.

      Até posso compreender, que no caso americano, o país do melting-pot, os jovens de lá já venham a sofrer desde de longa data, bem primeiro que nós, de toda essa inversão de sociedade que os culpabiliza sem cessar de todos os males do mundo. Desde logo, um gajo como o Anglin, que fala asperamente das outras raças, vai atirar muita gente. Ele fala tão asperamente como as outras raças o fazem dos brancos. Medida por medida. Daqui procede, que ele cultiva na juventude a raiva pelas outras raças e não a estima da sua própria raça.

      Nós não podemos constantemente estar a acusar os outros disto e daquilo, o problema existe em nós, porque eles são unidos, nós somos individualistas. É vê-los por aí andar sempre aos grupos de 3, 4 indivíduos, e mais até. Nós brancos, andamos sozinhos, apenas nos preocupamos com a nossa família e mesmo assim, com os mais próximos. E é porque os outros têm a noção que o branco é individualista, que eles são fortes, e são todo o contrário do branco, são unidos. Por isso digo, talvez esteja errado, que em vez de se cultivar a raiva ás outras raças, a prioridade deve ser dada ao cultivo da união entre brancos, quebrar a barreira do individualismo que nos afasta uns dos outros. Isto por si só, dará os seus frutos, e desde o momento que eles comecem a ver que somos unidos, vocês verão que eles começarão a baixar a crista do orgulho e de uma suposta supremacia que esta sociedade lhes meteu na cabeça. Vão começar a notar que afinal o branco não é assim tão fraco como pensavam e vão começar de eles mesmos a mudar suas atitudes.

      Acho extremamente difícil que isto se produza, mas certamente haverá mais dia menos dia uma tomada de consciência deste facto. Nada nos impede que sejamos unidos como os outros. E é neste ponto que se deve martelar e evitar fomentar a raiva de uns contra outros que só provocará mais desunião e divisão.

      Por exemplo, nos tempos do nacional-socialismo, dava-se primazia à união racial e não à raiva por outras raças, aliás, respeitavam-nas. Mas não só no nacional-socialismo encontramos isto, no tempo do Salazar, dava-se primazia à família, à união racial e não raiva por outras raças. Se recuarmos no tempo, nos tempos das Monarquias, vamos dar com a mesma coisa. E se recuarmos ainda mais longe, ao tempo das tribos, vamos encontrar o mesmo. Os Lusitani dançavam juntos, festejavam juntos, caçavam juntos, batalhavam juntos, também roubavam juntos... em todas as circunstâncias da vida, era sempre em união, sempre em conjunto que faziam tudo. Isto desapareceu, estamos individualizados.

      Eliminar
    11. Nós portugueses temos uma grande força, esta é terrível e está-nos no sangue, vem lá do fundo das idades, que quando temos um dirigente forte, somos os únicos que nos está geneticamente no sangue darmos a vida se necessário por esse dirigente e seus ideais e segui-lo até à morte. Mais ninguém na Europa tem esta capacidade. Nós temos sangue Ibero que corre nas nossas veias, e este sangue tem esta capacidade. Leiam o que os antigos historiadores falavam dos Iberos, não se encontra povo pronto a sacrificar a sua vida para defender os seus como nós! Isto para mim, é um grande motivo de orgulho, ser português, tem muito que se lhe diga, não está ao alcance de qualquer um. Ter este pingo de sangue Celta, dá-nos esta atitude de ser espirituais, irracionais, ter este pingo de sangue Germano, faz-de nós bons guerreiros e termos alguma tecnicidade, mas ter este traço Ibero, faz com que defendamos os nosso por todos os meios até à morte! Até à ultima! O sacrifício ultimo para preservar os seus! Nós temos de cultivar e de ressuscitar este traço Ibero, que mesmo assim meio-adormecido, os outros povos da Europa conseguem notar, quando dizem de nós sermos machistas.

      Isto para dizer que acho inadequado os pontos de vista de Anglin, isso é para os americanos, não é para nós. Não temos nada a ver com essa gente, gente sem história, desenraizada e que promovem o melting-pot à americana aqui na Europa. Não esquecer que antes da revolução cultural de 68, esta teve lugar precisamente nos mais fracos e débeis dentre os brancos, os mais desenraizados dentre os brancos, dentre aqueles que não têm um país com um mínimo de história ancestral : os americanos. Os mais fáceis de manipular e de torcer e distorcer como o sistema deseja.

      Desculpem-me lá ser anti-anglo-saxão, mas para mim a mentalidade deles serve em perfeita harmonia com os desejos da judiaria, são os ferros-de-lança de todo a ideologia judaica neste mundo inteiro, os perfeitos fantoches da democracia judaica.

      Essas escolas de Chicago e Frankfurt onde é que se desenvolveram ? Nos USA! Essas bizarreria de melting-pot ? Nos USA! Só merda que vem dali, raro é a coisa que se aproveite vinda daqueles lados. Onde é que se encontra a maioria dos cristãos-sionistas ? Nos USA! Quem financia Israel ? Os USA! Quem lhes fornece armas de ponta ? Os USA! Esse Anglin nada mais reflecte que a merda americana e muitos europeus deixam-se levar nessa conversa. Aqui é o berço do homem branco, é portanto aqui no berço que temos de escutar os nossos, que vamos encontrar os melhores pensadores dentre os brancos. Tem que ser genuíno, tem que vir do berço, tem de ter raízes profundas, tem de se escutar neles a sabedoria dos antepassados que andaram aqui antes de nós e pisaram esta terra que pisamos agora. Tem de se sentir o odor desta terra. Só um homem que tenha isto tudo, nós podemos dar a nossa confiança e estarmos certos de que ele pensa como nós. Não é numa terra daquelas, terra de índios, que há-de surgir um branco que nos dê conselhos melhor do que os daqui. Só desenraizados que andam ali. Falo de um modo geral.

      Eliminar
    12. «Mas também escrever em blogues nacionalistas portugueses é difícil, porque só há este e mais o hyperborea, de resto é tudo uma miséria deprimente.»

      Seja qual for o blog, mesmo neste, sempre haverá discordâncias entre uns e outros. Nos outros blogs, há artigos artigos a rejeitar e outros a ler. Mas a mim, esta questão judaica parece-me fundamental analisá-la, coisa que os outros rejeitam ou "esquecem-se" de falar... e na verdade, existem poucos que falam deste problema, portanto o principal, o problema de todos os problemas.

      Eliminar
    13. "Essas escolas de Chicago e Frankfurt onde é que se desenvolveram ? Nos USA! Essas bizarreria de melting-pot ? Nos USA! Só merda que vem dali, raro é a coisa que se aproveite vinda daqueles lados. Onde é que se encontra a maioria dos cristãos-sionistas ? Nos USA! Quem financia Israel ? Os USA! Quem lhes fornece armas de ponta ? Os USA! Esse Anglin nada mais reflecte que a merda americana e muitos europeus deixam-se levar nessa conversa."


      tens certa razão. só um pormenor, a escola de Frankfurt nasceu na Alemanha, eles depois podem ter imigrado para os EUA, mas começaram na Alemanha.
      à excepção de um William Pierce, não vejo assim ninguém dos EUA que me possa inspirar ou dar conselhos. todas as outras referências de jeito estão na Europa e não na terra dos yankees.

      nada contra os americanos, mas acho que tens razão quando dizes que eles são desenraízados e que o Anglin é apenas mais um espelho disso.

      não vale a pena bater demasiado no Anglin, eu próprio já o defendi de ataques exagerados que lhe foram feitos e acho que ele até é útil para informar. mas não dá para tapar o sol com a peneira.
      ele é mesmo medíocre. sobretudo em comparação com outros.

      os EUA não é como a Europa. nos EUA não há fronteiras entre anglo-saxões, irlandeses, italianos, teuto-descendentes, suecos, portugueses, espanhóis, franceses, etc, etc
      ali é tudo ao molho, não há grande identidade.

      Eliminar
    14. Mas Hitler espetou-lhes um pontapé no cu dali para fora. Encontraram uma casa na terra dos desenraizados, aqui nasceram mas não se conseguiram desenvolver.

      Sim, sim, temos grandes excepções à regra, um dos meus preferidos é o Kevin McDonald, este é mesmo dos bons, o William Pierce é um dos poucos a sair do lote também. Mas agora francamente, o que é que se pode esperar de bom de um país, que segundo Clemenceau, mesmo sendo franço-maçon, lá de vez em quando dizia uma verdade ali e acolá, então uma delas é a seguinte :

      "Os Estados-Unidos da América são o único país que passou da pré-história à decadência sem ter passado pela civilização."

      E vejam-me lá ao ponto que aquilo chega, que já têm leis para um homem frequentar a casa de banho das mulheres, se ao acordar pensar ser uma mulher e naquele dia resolver viver como uma mulher! No dia seguinte se desejar voltar a ser homem, já pode frequentar a casa de banho dos homens! Destas só mesmo vindo daqueles lados. Não estou a brincar, isto é a sério, isto não vem de nenhum filme cómico, é mesmo o que se passa naquelas terras.

      Eliminar
    15. "Mas a mim, esta questão judaica parece-me fundamental analisá-la, coisa que os outros rejeitam ou "esquecem-se" de falar... e na verdade, existem poucos que falam deste problema, portanto o principal, o problema de todos os problemas."


      claro. agora há aí uma "moda" de tentar unificar todos os ditos nacionalistas sob a bandeira do combate à imigração ou coisa assim...

      nada mais falacioso. a imigração, sendo um dos nossos principais problemas, não passa de um mero sintoma, de uma causa do grande mal - o inimigo nº1 (vocês entendem)

      não se podem "unificar" nacionalistas com "nacional-sionistas", isso não existe. é pura e simplesmente incompatível.

      pode-se tolerar uma divergência de opinião aqui e ali, pode-se tolerar que alguém goste do Nietzsche e outro não goste. pode-se tolerar diferenças religiosas.
      mas a questão judaica e a questão sionista é tão, mas tão fulcral que divide automaticamente os dois lados da barricada.

      a questão sionista é muito mais importante que o combate à imigração. mas muito mais. pois esse problema e a maioria dos outros, têm origem no sionismo e no judaísmo.

      não há "nacionalistas sionistas", isso não existe. é um paradoxo, uma contradição.
      o sionismo é precisamente quem ocupa as nações todas ou quase todas deste planeta.
      como alguém pode defender a nação e ao mesmo tempo defender o ocupante?
      é paradoxal, contraditório, esquizofrénico. impossível.
      é loucura mesmo. doença mental pura e dura.

      ah eu gosto muito da minha nação, mas defendo o ocupante e o algoz da mesma? isso não existe. ou se é nacionalista ou se é sionista. os dois ao mesmo tempo é impossível.

      a questão judaica é que define o nacionalismo, mais até do que as questões de imigração e etc, que só vêm depois.

      e nacionalismo também não se define por patriotismo, porque uma pessoa que só defenda Portugal mas se esteja a cagar para os outros países ocupados pelo sionismo, então não é nacionalista nenhum, é apenas uma fraude. o sionismo combate-se globalmente e não isoladamente, ou "patrioticamente".

      Eliminar
    16. Se analisarem um pouco a história dos USA, vocês vão ver que aquilo é a terra das fantasias à Tio Sam. Os pastores, era vê-los na Igreja aos domingos e durante a semana jogarem nos casinos. As mulheres ditas puritanas, era vê-las grandes senhoras, respeitáveis, à frente de todos, e assim que entravam em casa, toca a receber uns clientezinhos para conseguirem manter o nível de vida. Os trafulhas, esses então as histórias não acabam, como aquele que impingia ás pessoas "areia" miraculosa, e os burros caiam nela. Só mesmo nesse país é que se conseguiu tais fantasias. Isso são coisas inimagináveis aqui na Europa. Esses filmes em que se vê homens a aldrabar as pessoas para vender este e aquele artigo miraculoso, não é treta, acontecia mesmo naqueles tempos.

      Seitas religiosas, então nem dá para enumerá-las, vêm quase todas de lá, pelos menos aí umas 90% delas vem tudo dessa terra. É o que eu digo, aquilo que ali está, é a merda, a escória da Europa, foram todos para ali. Os mais débeis dentre os débeis estão naquele país.

      Chiça, que coisa boa veio daquele país ? Nada! Absolutamente nada! Só merda atrás de merda.

      Eliminar
    17. e por falar em sites, um dos melhores sites anti-judaicos regressou e está a fazer backup de posts antigos, depois de ter sido (mais uma vez) atacado e fechado pela escumalha imunda.

      refiro-me obviamente ao valiosíssimo ZionCrimeFactory, gerido por um canadiano de origem espanhola chamado Brandon Martinez, um porco "nórdico", "nordicista" e "supremacista germanista" como podem ver na imagem:
      http://kouroshziabari.com/wp-content/uploads/2014/08/Brandon-Martinez.jpg

      porque isto, já se sabe, o anti-sionismo, anti-judaísmo é exclusivo de povos germânicos, nórdicos, etc dizem os canalhas imundos.

      Eliminar
    18. "Se analisarem um pouco a história dos USA"

      Os EUA, foram fundados por Ingleses, uma população nórdica de primeira linha. Nunca em momento algum, os fundadores pretenderam criar um país que fosse mestiço, o conceito de melting pot foi introduzido pela judiaria no inicio do século XX.

      Os EUA, até cerca de 1890 eram uma sociedade homogénea, quase 100% nórdica, a minoria negra de 10% era completamente hostilizada e segregada, estavam fora do estado. Os quase 90% brancos eram quase exclusivamente nórdicos.

      Portanto, os EUA, até essa altura nunca foram multiculturais ou multirraciais, eram uma civilização que continuava a Europa do norte, uma Europa tradicional e Protestante.

      O nível de desenvolvimento que atingiram nessa época era muito, mas muito superior a qualquer outro país Europeu, em todos os sectores, eles eram muito superiores, desde a economia, ciência, qualidade de vida, liberdade individual, educação, etc. Não havia paralelo e basta comparar as estatísticas dessa altura para notarmos isso.

      Enquanto que em Portugal o povo vivia na miséria total e era analfabeto, os EUA eram já uma sociedade desenvolvida, prospera, sofisticada e avançada. O mesmo acontecia com quase todos os países Europeus, exceptuando o R.Unido. mas mesmo o R.unido, ficava muito atrás dos EUA em termos de rendimento per capita e desenvolvimento.

      Portanto, os EUA nunca foram uma nova civilização, nem uma utopia, foram simplesmente o resultado da capacidade criadora dos Europeus do Norte, eram uma sociedade nórdica, protestante e tinham como prioridade a liberdade do individuo e a elevação do mesmo, ao mesmo tempo, tinham uma ética colectiva fraterna, o Americanismo, que anulou qualquer tipo de necessidade socialista por aquelas bandas.

      Esta ordem, foi destruída com a entrada de judeus e outros povos de raiz não nórdica a partir de 1890, ao ponto de a transformação ter sido tão drástica e terem forçado a reforma às leis de imigração de 1924.

      A judiaria continuou a incrementar o poder, sobretudo a partir da grande crise,

      A destruição dos EUA foi um processo gradual, a origem do problema teve a raiz na incorporação da judiaria a partir de 1890, a partir desse período começou um longo processo de sabotagem e usurpação que culminou na revolução cultural dos anos 60'

      Com o a nova ordem mundial pos 45' e sobretudo a partir dos anos 60' ficou definido pelas elites dos EUA que o país era multirracial, multicultural, é isto que tem sido promovido pelos media, estúdios de cinema etc etc,
      Mas é preciso perceber que grande parte dos Americanos tem um grande orgulho racial, em geral os Euro Americanos são muito mais radialistas que os Europeus, muito mais ligados as raízes que os Europeus. A ideia que o Euro Americanos é um consumista desenraizado é errada, provavelmente, estão mais próximos os Europeus deste lado do continente do que propriamente os Americanos. Aliás quem conhece Americanos, sabem que eles são obcecados com questões raciais, algo muito raro ver num Europeu.
      Eu não tenho preconceitos contra os Eua, sei distinguir muito bem as coisas e uma coisa é o governo e os poderes subversivos que dominam aquele país, outra coisa, é ainda uma parte importante da população que é genuinamente Europeia e que vivem oprimidos.

      Eliminar
    19. ". É o que eu digo, aquilo que ali está, é a merda, a escória da Europa, foram todos para ali. Os mais débeis dentre os débeis estão naquele país."

      Olha que não, os EUA foram colonizados com a fina flor da Europa, por volta de 1890, a população era quase toda ariana, populações nordicas quase puras.

      Foi essa população que fez dos EUA o centro económico e tecnológico do mundo.

      O progresso tecnológico que ali nasceu é incomparável e é ridículo procurar negar isso.

      Se a máfia da judiaria e servos usaram e usam esta capacidade e poder para o mal isso é outra conversa..

      Eliminar
    20. Essa questão judaica precisa de ser atacada com força e vigor caramba. Temos de ser mais a debruçar-nos sobre o assunto. Fogo, aqui em Portugal só meia-dúzia é que abordam o assunto, isto está magrinho, raquítico... isto é como ir a contra-corrente. Isto está tudo lixado, ou mais gente acorda, ou estamos bem tramados. Ainda agora estava a ler, no principio do séc.17, esses cabrões mamavam tudo nas Índias, todo o dinheiro que o Reino de Portugal mandava para lá, era logo depenado por esses cabrões. Até tinham mortos nas listas de pagamento! Ladrões de uma gana, fizeram uma tal razia aos cofres do Reino que não demorou muito a ficarmos na merda.

      E hoje, lá vamos pelo mesmo caminho... parece que não aprendemos nada com a história, estamos sempre a cair no mesmo golpe.

      Eliminar
    21. é precisamente por isso que eu digo que essas bestas não podem ser combatidas com monarquias, cristianismos, etc
      Nacional-Socialismo é a única coisa que funciona com esses animais de merda...

      Eliminar
    22. @Vasco

      Não creio que a história seja bem assim como se conta. Encontrei provas, que bem antes de 1890, bem antes, os banqueiros judeus já se regalavam nos estados americanos bem antes da guerra norte-sul. E aliás, foram eles que financiaram um e outro lado. Isto é muito fácil observar e deduz-se rapidamente, nada que simplesmente observando minuciosamente as moedas e notas de cada estado bem antes desse tempo. Vais-te fartar de ver pirâmides e muitos desenhos ligados à maçonaria. Os judeus sempre dominaram o comércio nos USA desde o seu principio até agora, sem cessar.

      Não vais muito longe, basta dares uma olhada no livro do Farakhan e vais vê-los à obra logo no principio da colonização, e darás com uma parte, em que foi mesmo um judeu que teve a ideia de oferecer uma tolha com febre, espirrada, aos índios, para os exterminar. Ui, isso não é bem assim. E temos muitos detalhes que nos são contados por pessoas dessa época, que viveram lá, no séc.18, séc,17, que tu ficas impressionado com a debilidade daquela gente e as suas paranóias. Lembro-me do ministro de Napoleão, que foi lá, assim que veio, disse apenas que nunca tinha visto gente com tanta sede por dinheiro e negócio que os americanos. Tem muitos e muitos.

      A fina flor da Europa ? Isso duvido muito, aquilo eram só gente ligada à prostituição, bandidos, assassinos, gente sem escrúpulos, que fugiram daqui, gente que para se livrar dos problemas fugia para ali.

      Eliminar
    23. bem antes de 1890, já eles tinham mandado matar o Lincoln, através do John Wilkes Booth, um judeu-maçon. e já nessa altura os judeus tinham planos para criar enormes redes de tráfico de escravos, foi esse um dos motivos porque mataram o Lincoln.

      e também houve alguns judeus envolvidos no genocídio dos índios (óbvio que não fizeram tudo sozinhos, nem pouco mais ou menos)

      eu também não alinho nesse sentimento "pró-americano", pois tens certa razão quando falas na podridão, desenraízamento e materialismo da América e dos americanos, que não começou só agora, nem em 1890, já vem de antes. (basta ver que a coca-cola nasceu em 1886)

      mas também não alinho no extremo cego de odiar tudo o que é americano ou de dizer que todos os americanos são bandidos e que só foi para lá a escória, ralé da Europa e etc
      isso também já não acredito, pois isso parece-me mais motivo religioso - a saber, raiva à dissidência do protestantismo.

      eu estou no meio-termo, não gosto dos gajos que são pró-americanos "porque sim" e que seguem ou engolem tudo o que é americano, mas também não gosto de ódio à América "porque sim" e porque são todos maus, bandidos, etc

      como se não houvessem milhões e milhões de pessoas boas na América, pessoas que denunciam os governos americanos, o "imperialismo" americano (sionista, enfim...), as guerras e invasões "democráticas", etc, etc

      Eliminar
    24. mas eu já disse que os judeus não são os únicos culpados.
      eu só não consigo encontrar uma explicação para tanta decadência, tanto materialismo e tanta ganância americana desde muito cedo...

      protestantismo?? não sei. talvez em parte.
      genética?? não sei. pode ser.
      outras razões? ambiente?? desenraízamento cultural?
      pode ser isso tudo junto.

      Eliminar
    25. Falo de um modo geral Thor, não sou e não me considero um anti-americano, apenas me repugna o facto de que aquele país propaga só ideologias de merda por esse mundo fora. Nunca dali veio nada de bom, nada de nada, só merda.

      Que ainda se possa dizer que os judeus sabotaram aquilo, sabotaram sim, mas porque encontraram o terreno propicio e sem obstáculos algum para levarem a cabo essa sabotagem. O judeu sente-se como peixe na água onde cheira a merda. Só a merda é que atira as moscas. E assim foi, as moscas assaltaram os USA...

      «bem antes de 1890, já eles tinham mandado matar o Lincoln, através do John Wilkes Booth, um judeu-maçon. e já nessa altura os judeus tinham planos para criar enormes redes de tráfico de escravos, foi esse um dos motivos porque mataram o Lincoln.»

      Nem vais muito longe, quem financiou Marx ? Os banqueiros judeus americanos! Aquela terra desde o principio que foi absorvida pelos tentáculos da judiaria. E existe mesmo uma transcrição do Nathan Rotschild, feita pelo Guy Carr, em que ele fala de uma "nação a Oeste" pronta a fazer barragem a qualquer tentativa de aniquilar a parasitagem judaica. Ele só poderia estar a falar dos USA, isto nos anos 1700 e tal. E observem a 2ª guerra mundial... quem entrou na guerra e desequilibrou a balança ? Os americanos!

      Eliminar
    26. «mas eu já disse que os judeus não são os únicos culpados.
      eu só não consigo encontrar uma explicação para tanta decadência, tanto materialismo e tanta ganância americana desde muito cedo...

      protestantismo?? não sei. talvez em parte.
      genética?? não sei. pode ser.
      outras razões? ambiente?? desenraízamento cultural?
      pode ser isso tudo junto.»

      É verdade, como dizes, que desde muito cedo o povo americano demonstrou uma ganância insaciável pelo ganho. Como se explica isso ? Sinceramente não tenho resposta a esta tendência para o lucro, desde muito cedo. Faz-me lembrar os judeus quando foram para o Brasil, só pensavam no lucro.

      Talvez isso tudo junto, salvo se calhar, o ambiente.

      Eliminar
    27. A judiaria estendeu os tentáculos aos EUA porque sabiam que aquilo iria ser o centro de poder...

      Isto agora anda numa transição UE-EUA, não é por coincidência que muita mais merda é gerada hoje na Europa, que eu saiba não tens nenhuma aberração nos EUA ao nivel conchita wurst da eurovisão, isto simplesmente era impensavel nos EUA, nunca isso podia acontecer lá. Nem compreendo lá muito bem porque achas que os EUa estão mais degenerados do que a Europa, eu tenho sérias duvidas de qual está em pior estado.

      E sim, tens razão quando dizes que tinham terreno propicio, sim, tinham seres humanos generosos bem intencionados, abriram as portas ao diabo e agora sofrem as consequências.

      Eliminar
    28. «que eu saiba não tens nenhuma aberração nos EUA ao nivel conchita wurst da eurovisão,»

      Não tens ? Fogo! Tens uma paneleira, que era boxista, que é um ídolo nos USA. Tens aos pontapés aberrações como essa, até já tens centros de estudo do exército dos USA que promovem a paneleiragem no exército, tens generais paneleiras, enfim, aquilo ali não acaba. Nós vamos pelo mesmo caminho, mas nesse aspecto, ninguém bate a paneleiragem dos americanos. O pior, é que são eles (os tais) que promovem essas ideias aqui na Europa. Tens mesmo já instituições da NATO, criação americana, que promove a paneleiragem nos exércitos de cada nação. Nós sabemos quem está por detrás, mas esses tais não encontram melhor veiculo que os americanos. E já viste a nova lei anti-discriminação do Obama ? Se alguém acordar e apetecer-lhe ser mulher por um dia, ninguém lhe poderá recusar um sanitário para mulheres. Aberrações desse tipo, de momento não passam de fantasia aqui na Europa, mas parece que por ali... já vai bem desenvolvida.

      Eliminar
    29. não há conchita wurst na América, mas há wrestling, homens a entrarem no WC das mulheres, coca-cola, shows travestis e gays, tens a Lady Caca ou a Britney Spears e a Madonna aos beijos no palco, tens o melting pot que começou lá, tens a MTV a promover drogas, multiculturalismo e até pedofilia encapotada além de RAP negro anti-branco. aberrações como o Eminem, kardashian's show, talk shows de merda, sexo e a cidade, paneleiragem a rodos mesmo nas ruas e etc, celebridades de merda tipo Paris Hilton, etc
      celebridades que se drogam, embebedam, fazem o que lhes apetece, têm crises de bipolaridade e depressões, conduzem alcoolizadas, rapam o cabelo, cagam nos filhos, etc

      tens Nova Iorque que é um autêntico esgoto a céu aberto e a capital do nojo.
      só droga, hiv, gays, roubos nas ruas, crime violento, crime organizado, caos total, barulho e poluição infernal, 1000 línguas diferentes que lá se falam e ninguém entende ninguém. hispânicos, negros, mediterrânicos, chineses, japoneses, indianos, muçulmanos, brasileiros, alguns "anglo-saxões", italianos, judeus, tudo tudo bem misturadinho...e no fim, o inglês nem é a língua mais falada se calhar.

      tiveste os Village People, uma banda gay do final dos anos 70. e outras.

      o único país Europeu que talvez esteja num estado relativamente parecido é o Reino Unido com aberrações tipo Elton John, George Michael e etc, mas de resto os EUA são os campeões da decadência.

      Eliminar
    30. e claro, deve ser "esta" a que o gang falou
      http://i2.cdn.turner.com/cnnnext/dam/assets/150601163049-bruce-caitlyn-jenner-vanity-fair-tease-large-169.jpg

      Bruce Jenner, agora "Caitlyn".
      mais uma celebridade de merda, considerada um "herói" na Amérdica.

      se isto não é decadência, não sei que será.

      Eliminar
    31. «http://i2.cdn.turner.com/cnnnext/dam/assets/150601163049-bruce-caitlyn-jenner-vanity-fair-tease-large-169.jpg

      Bruce Jenner, agora "Caitlyn".»

      Era mesmo disso que falava, essa pessoa acho que era boxista. "Pessoa" ? Acho que isso é um bicho que anda ai.

      Eliminar
    32. "refiro-me obviamente ao valiosíssimo ZionCrimeFactory, gerido por um canadiano de origem espanhola chamado Brandon Martinez, um porco "nórdico", "nordicista" e "supremacista germanista" como podem ver na imagem:
      http://kouroshziabari.com/wp-content/uploads/2014/08/Brandon-Martinez.jpg"

      Brandon Martinez Tem origem hispãnica /mestiça /amerindian
      ,não espanhola . alias ,o fenotipo de brandon não é muito distante do fenotipo médio do atual "branco" Americano .
      .........

      Os americanos atuais nada tem a oferecer a Europa , a começar pela raça.
      Uma das coisas que mais me incomodam nos americanos ,alem da origem mista dos mesmos ,é a arrogancia infundada. cassoam eles da situaçao dos europeus com os invasores islãmicos, como se America não estivesse em situaçao infinitamente pior com cristãos nao brancos.
      Vivem em minoria em um pais multirracial onde a miscigenaçao é a norma. degenerados ,imorais e decadentes morrem aos milhares em guerras por aqueles os fodem . Mas acham esses coitados que estao em condiçao de "salvar "a Europa

      Eliminar
    33. Nacional sionista = atleta fumante.
      ---------------------------------------------
      "A judiaria continuou a incrementar o poder, sobretudo a partir da grande crise." Creio que não. Começou desde sempre, Colombo suspeita-se forte que era um. Mas deram grandes passos na Guerra da Secessão, quando emprestando para ambos os lados, amarraram-os pelas dívidas. Depois coroaram-se conseguindo finalmente criar o FED.

      "O progresso tecnológico que ali nasceu é incomparável e é ridículo procurar negar isso." Muita roubalheira de patentes/inventos como Thomas Edison, as mais de 800 mil patentes dos depois da 2ªGM, von Braun, ... daria um interessante e volumoso livro.

      O que os EUA exportam?
      http://desatracado.blogspot.com.br/2014/09/o-que-os-eua-exportam.html

      Cronologia das intervenções dos EUA no Mundo:
      http://desatracado.blogspot.com.br/2013/09/cronologia-das-intervencoes-dos-eua-no_25.html

      Aliados saquearam a Alemanha Nazista:
      http://desatracado.blogspot.com.br/2013/12/aliados-saquearam-alemanha-nazista.html
      ---------------------------------------------
      Pelo fato de quererem miscigenar apenas os europeus com a imigração massiva de povos ou raças de outros continentes, enseja crer que é a confissão e reconhecimento inconsciente e/ou involuntária da superioridade do europeu branco.

      Agora, vejamos por esse breve relato da formação européia se assim pode-se deduzir.

      A verdadeira (atual) Europa é praticamente toda germânica. Toda a Europa têm alguma notória raiz germânica, inclusive Portugal, Espanha e França.

      Portugal e Espanha foram feitas a partir do legado dos visigodos. A França do legado do Império Franco de Clóvis. A Itália desde o legado dos ostrogodos e dos lombardos. A Inglaterra do legado dos anglos, dos saxões e dos normandos.

      Mesmo a longínqua Rússia deve muito ao sangue germânico na pessoa da Rainha Catarina II, a Grande. Sem falar na contribuição para a formação dos EUA.

      Os alemães, sob seus vários nomes ao longo da História como ostrogodos, visigodos, merovíngios por exemplo, fundaram não só os países mais importantes e modernos no mundo, mas o maior continente do planeta. O, digamos assim, sangue germânico está sobrando com folga na História das Civilizações. Como ultrapassá-los? Mediocrizando-os. Como? Miscigenando-os.

      Cobalto

      Eliminar
    34. «Portugal e Espanha foram feitas a partir do legado dos visigodos»

      Acho que dos Suevos e não dos Visigodos, pois estes últimos foram expulsos pelos árabes e ficou no norte os Suevos, que também eram germânicos. Foi a partir de lá, da zona dos Suevos, cuja capital era Braga, que se formou o Condado Portucalense e a partir dai, começou Portugal começou a ser formado pouco a pouco com a Reconquista.

      Eliminar
  4. Russians that fought with National Socialists against the Bolsheviks
    https://m.youtube.com/watch?v=51ervXitD6o

    ResponderEliminar
  5. Gang, eu nunca neguei que a judiaria não tinha influência nos EUA antes de 1890, pelo que já pesquisei, eles começaram a ter influência a sério por volta de 1830-1840.

    Mas as universidades, a administração, os juízes, a comunicação social não estava ainda tomada. Eles começaram a conspirar, mas as coisas também não são tão lineares assim, eles não tinham o poder que têm hoje, mas nem de perto. Se um milésimo do que acontece hoje se tivesse passado nessa época, a judiaria era toda massacrada, não tenhas duvidas disso.

    dos 13 juízes do supremo, o primeiro judeu a por lá as patas foi em 1916!

    o primeiro negro foi só no final dos anos 60'....

    isto chegou a tal ponto que nem sequer um único WASP(white anglo.saxon protestant) existe no supremo.

    Quando até 1916 eram 100% dos juizes.

    O problema foi precisamente os EUA terem sido demasiado tolerantes, cometeram o erro mortal de deixarem sub-humanos destruir a republica.

    Os EUA são um caso de estudo.

    Esquece a ideia de que nos EUA entrava a escória, não sei onde foste buscar essa ideia, estas muito equivocado. Os EUA foram o primeiro país do mundo a ter critérios muito rigorosos na triagem de imigrantes, a tal ponto que, a partir de 1924 passou a ser quase impossível entrar quem não fosse nórdico, literato e saudável.

    faziam até estes de QI,

    Este sistema foi precisamente abolido em 1965, devido sobretudo ao lobbie da judiaria.

    Lê sobre Cellar e vais perceber o que aconteceu.

    Eu até tive um bisavô que emigrou para os EUA em 1916 e posso-te assegurar que em termos de triagem, os EUA eram muito superiores à Europa, registavam tudo, e excluiriam qualquer individuo com deficiências iliteracia, etc.

    E os colonos iniciais que fundaram o núcleo da população eram puritanos ingleses, gente simplesmente muito boa em termos raciais e morais.

    A autentica América, é a America branca anglo saxonica, nada a ver com a versão "jewodesca" actual. O que a america se tornou foi uma abominação, mas neste caso a culpa está muito bem identificada e documentada.


    ResponderEliminar
  6. «Esquece a ideia de que nos EUA entrava a escória, não sei onde foste buscar essa ideia, estas muito equivocado. Os EUA foram o primeiro país do mundo a ter critérios muito rigorosos na triagem de imigrantes, a tal ponto que, a partir de 1924 passou a ser quase impossível entrar quem não fosse nórdico, literato e saudável.»

    Mas tu falas recentemente por assim dizer, eu falo-te logo no principio da colonização. Olha, por exemplo logo no principio da colonização do Brasil, tinhas muitos portugueses de raça branca que iam para lá. Os primeiros voluntários foram só bandidos e prostitutas, com promessas de indulgência e liberdade se fossem voluntários. Portanto eram bem portugueses, genuínos... mas com tendências que eram rejeitadas na Metrópole. Assim sucedeu com as primeiras vagas de colonização dos USA, onde a maioria das pessoas eram os rejeitados da sociedade inglesa, tal como aqui.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "onde a maioria das pessoas eram os rejeitados da sociedade inglesa, tal como aqui."


      e também os ingleses ou escoceses que saíam desses países para irem para a América, já saíam mesmo a pensar só no lucro. no lucro fácil, imediato e nada mais lhes interessava.
      tanto que até foi aí que começou a treta do "American Dream", um conceito apenas e só baseado em critérios materialistas, económicos.
      depois outras vagas se sucederam a essas vagas iniciais e sempre se manteve a motivação da aventura e do "sonho americano".
      dinheiro, dinheiro e mais dinheiro. nada mais interessava.

      que outro motivo poderia ter alguém para deixar o seu lar, o seu continente, as suas raízes, tradições, etc??
      nenhum claro. a não ser dinheiro, ouro, etc
      e depois passou de geração em geração.

      Eliminar
    2. @Thor

      Esse ponto de vista ai é bem visto, talvez seja uma explicação para se compreender esta vontade de lucrar. Lembrei-me agora da paranóia que eles tinham em descobrir ouro, e continua ainda hoje essa paranóia.

      Eliminar
  7. "Mas tu falas recentemente por assim dizer, eu falo-te logo no principio da colonização. Olha, por exemplo logo no principio da colonização do Brasil, tinhas muitos portugueses de raça branca que iam para lá. Os primeiros voluntários foram só bandidos e prostitutas, com promessas de indulgência e liberdade se fossem voluntários. Portanto eram bem portugueses, genuínos... mas com tendências que eram rejeitadas na Metrópole. Assim sucedeu com as primeiras vagas de colonização dos USA, onde a maioria das pessoas eram os rejeitados da sociedade inglesa, tal como aqui."

    Bem, se estiveres a falar do Brasil, as coisas são diferentes, de facto, o Brasil não foi uma colónia de povoamento, partiam sobretudo homens de Portugal e a escassez de mulheres foi a causa principal de se terem gerado tantos mestiços no núcleo de população Brasileira. Quem partia para o brasil era de facto um individuo que pretendia sair da pobreza ou enriquecer, tanto no período colonial como mais tarde.

    O caso dos EUA é radicalmente diferente, os EUA foram fundados por puritanos, que eram um extracto social religioso que era perseguido no R.Unido, sairam milhares de ingleses e foram povoar a América do Norte, eles sairam das ilhas Britanicas sobretudo por razões religiosas.

    Foi essa gente que formou o núcleo racial da população branca dos EUA.

    Só para ter uma ideia, saiu mais gente de Portugal no período colonial para o Brasil, do que, Ingleses para os EUA, mas como no caso Português saiam poucas mulheres e as condições no brasil eram muito precárias, a população branca cresceu muito pouco, comparativamente aos EUA. Mas mesmo no Brasil, existiu também colonização natural fomentada por princípios religiosos.

    Em 1800, já eram 4 milhões os Brancos nos EUA, quando no Brasil seriam provavelmente na ordem de 1-1,2 Milhoes. E tens de ter em conta que saíram quase 1 milhão de Portugueses e cerca de 0,5 milhões de Ingleses.

    o sucesso da povoação inglesa é claro e inquestionável, os colonos proibiram a mistura racial nas colónias da América do norte, a mistura racial era quase inexistente, a coisa era levada muito a sério.

    A perspectiva que as gentes foram para a América do Norte enriquecer e ser gananciosos é simplesmente uma inverdade, não é assim, só o é após o país estar formado há muito tempo, tanto é assim, que houve o debate-conflito nativistas vs integracionistas. O filme Gangs of new York retrata bem essa problemática.

    As vagas que se seguiram e que saíram da Irlanda(pobreza extrema) também não se enquadram numa optica de "ganancia".

    Foi a partir de 1850 que começaram a entrar imigrantes económicos, sobretudos os Alemães, mas isso também teve aspectos positivos, era gente capaz, empreendedora, as nações também precisam deste tipo de pessoas, a meu ver, o problema foi mesmo a entrada dos semitas e em parte também dos italianos.

    Digamos que os Italianos que saiam da Itália eram mesmo classes muito baixas e do sul problemático.

    Foram estas ultimas vagas(pós 1890) que minaram aquilo tudo.

    Na minha opinião, a colonização da América do norte foi na fase inicial um processo religioso e pioneiro que demonstrou a capacidade brilhante dos Europeus.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho impensável, na minha opinião, que alguém possa defender um país de sebo como os USA. Um país que odeia os seus próprios irmãos brancos, como foi o caso da escravatura dos irlandeses. Não me lembro que algum país europeu tenha praticado a escravatura com os seus próprios irmãos, por equivalente, vem-me à memória, o facto de que os africanos praticavam a escravatura com os seus próprios irmãos. Exactamente o mesmo caso de figura que esses degenerados americanos, que para ficarem numa cadeira a descansar, nem hesitam sequer a escravizar se necessário os seus próprios irmãos de raça, como foi o caso e como é actualmente o caso.

      Nós aqui na Europa, desde a 2ª guerra mundial, estamos submetidos a um povo que por si só e em toda a sua curta história, apenas sabe apresentar como prato tradicional, uma comida de plástico chamada McDonald's, e King's atrás de King's... Burger King, Merda King, Paneleiragem King, RAP King, Pornograph King... um livro de 1000 páginas não chegaria para nomear toda a merda King que sai dali. Absolutamente nada de jeito, é mesmo só merda atrás de merda. Olhem para a história, que coisa saiu dali que servisse de exemplo para o mundo ? Nada!Que arte é que essa gente tem ? Nada! Que raio de música têm eles ? Cowntry no sul e Blues (inventado por negros). Que ideia é que se tem dessa gente ? Um cowboy que assalta uma caravana, depois assalta um banco, e em seguida vai fazer o garimpeiro lá para um rio qualquer e depois vai jogar umas coroas no casino da esquina e pagar os “serviços” de uma puritana. Não têm mais nada para além disto a oferecer ao mundo, o que aliás foi sempre o que ofereceram desde que passaram da pré-história à decadência, como dizia o maçon Clemenceau.

      Vejam que é justamente por estarmos submetidos a essa gente, que a sociedade europeia começa a ser um espelho desse merdum americano, que porta em si degenerescência atrás de degenerescência. Nós, nações europeias, concorremos uns com os outros para ver qual de nós é aquele que se assemelha o mais possível à merda americana.

      Milhões e milhões de europeus imigraram para aquelas terras. Incluindo muitos e muitos que simplesmente fugiam da justiça, para se livrarem de problemas.

      Eu pergunto, que raio de coisa, à parte a comida de plástico, os americanos deixaram como herança para as gerações futuras ? Nada de nada, só merda atrás de merda. Até os melhores cientistas que tiveram, foram obrigados a vir aqui à Europa roubá-los, como foi o caso dos alemães logo após a 2ª guerra mundial. Levaram para lá dos melhores cérebros da Europa. O cérebro daquela gente, não consegue mais do que fabricar um McDonald's. É um povo extremamente individualista, super-desenraizado, o perfeito nómada ao bom estilo do judeu, o melhor veículo da propaganda judaica por esse mundo fora. Perfeitos submissos ao espírito judaico. Levam as revoluções do judeu por esse mundo fora, intrometem-se em qualquer assunto, de qualquer país neste mundo, assim que o judeu ordena e deseja que o façam. O judeu consegue o que consegue na Europa, graças à força dos submissos incultos americanos.

      Eliminar
    2. é triste, mas concordo contigo, gang.

      estou longe de ser um anti-americano primário, mas também não posso fechar os olhos a toda a imundície que vem da América e defender a América "porque sim" e tal...

      como tu dizes e bem, até a tecnologia eles tiveram que roubar aos cientistas alemães, como na operação Paperclip e outras.

      além de que a "ida à Lua" provavelmente foi uma bela fraude (95% de certeza, não 100%...por enquanto!)
      mas pronto, não vou discutir isso.

      a América hoje é um esgoto a céu aberto. aliás, são eles que expandem a merdocracia e a merdocracia começou precisamente lá (1776) embora já existisse um esboço de merdocracia na Inglaterra desde 1600 e troca o passo...
      mas merdocracia a sério, começou mesmo na América em 1776 ou 1792, porque há quem diga que até 1792 não foi uma democracia e sim uma républica. (talvez fosse républica, mas era maçónica)

      portanto, até os "pais fundadores" eram maçons e não eram assim tão bons e santos como se julga, porque mataram e escravizaram muita gente.

      Eliminar
    3. Tinha-me esquecido dessa, a Judeócracia, que só podia ter nascido ali, claro.

      Eliminar
    4. Que fique bem explicito que eu não acho que os EUA no ano de 2016 sejam um exemplo, eram-no até cerca de 1933, a partir dessa data, a degeneração foi progressiva.
      Quero recordar-te que se tens algum tipo de liberdade pessoal para escrever sobre estas coisas, agradece aos EUA e a constituição deles, o sistema que estas a usar (blogger) está alojado nos EUA e é o único sitio do mundo onde os servidores que alojam sites nazis não são simplesmente fechados. Sendo assim, na maior parte dos países Europeus vais preso por escreveres o que escreves, tens de ter bem consciência das coisas e noção da realidade.
      Nós só falamos aqui porque existe a Internet, o computador, o sistema operativo, o sistema blogger e a própria LIBERDADE de expressão. Todas estas coisas existem graças aos EUA, por isso, é preciso reconhecer as coisas e não sermos ingratos. Não se trata de defender os EUA, mas simplesmente saber distinguir as coisas, a generalização de que é tudo maus nos EUA, um país de 325 milhões é absurda. Sim, tem muita coisa má, mas também muitas coisas boas.
      A tecnologia do computador que estas a usar foi desenvolvida em silicon valey(nos EUA), o sistema operativo provavelmente é da microsoft.
      Apesar de toda a degeneração, dos EUA sai muita musica muito boa, muita literatura genial, muitos filmes bons, nem tudo é rap e pretos..

      Vais dizer que mark twain não presta? Não há series e filmes ou musica Americana que gostes? Eu não acredito nisso.
      Depois, tens de perceber que grande parte do avanço cientifico e progresso tecnológico tem origem dos EUA. Beneficias ou podes vir a beneficiar disso na tua vida.

      Generalizar os EUA dessa forma fechar os olhos ao que vem de lá de positivo é surreal, essa lista de coisas negativas encontras em qualquer país Europeu, numa qualquer cidade Europeia, isto é um mal geral da civilização ocidental, não é um problema dos EUA ou de um qualquer outro país Europeu. É uma doença generalizada. Estamos nos país do José castelo branco e achas mesmo que aberrações não há em todo lado do ocidente. Não tenho duvidas que deve até haver mais gente desperta para o racialismo nos EUA do que na Europa, até os estudos de opinião confirmam que o Obama sempre foi muito mais popular na Europa do que nos EUA, uma figura autoritária como Trump não tinha a mínima chance na Europa..
      Depois, se falarmos da conquista espacial, vamos dizer que os Americanos não foram à lua(só um mongolóide pode dizer algo desse tipo), vamos dizer que não foram enviadas missões robóticas a Marte? Pathfinder, sondas vikking, spirit etc é tudo fito nos estúdios dos judeus??
      As sondas voyager, o space shuttle, os satélites, skylab etc foi tudo mentira, tudo ilusão??
      Não entres nesse caminho do obscurantismo e continua a fazer o que fazias inicialmente, que erra promover soluções positivas e não fazer criticas destrutivas.

      Eliminar
    5. Ninguém disse isso, qualquer pessoas aqui de bom senso, sabe muito bem que nunca pensarias tal coisa, pelo menos se o fizesses, seria um absurdo.

      Nada disso, sou um puro por tudo o que é Europeu. O meu sistema é Linux, nem ousaria usar uma merda como a Microsoft, do pior que se pode encontrar e ainda por cima a pagar. Aqui os crânios europeus puseram um sistema poderosíssimo, com uma segurança 1000 vezes acima da Microsof e ainda por cima de borla. Sem necessidade de pagar um cêntimo que seja. Vês aqui a força do que é europeu ? Achas mesmo que eu iria usar a merda de um sistema feito por um judeu ? Há muitos anos que utilizo sistemas Linux...

      Sim, claro que gosto de ler um Mark Twin, tanto quanto gosto de ouvir um bom blues ou jazz, estilos que os americanos nem sequer tiveram a capacidade de inventar, aqui temos de bater as palmas ao génio africano que ultrapassa o raquítico e magro génio americano e a sua merda de cowntry à cowboy ladrão de caravanas e putanheiro de cabarets. Que puritanismo!

      Sim, tens musica boa que vem de lá, e não é por ser americano que rejeito. Mas pergunto-me se algo vindo de lá consiga por exemplo, passar a tecnicidade de uns Europe e suas lindas melodias, ou de uns Halloween ? Repara só de onde vieram os Led Zeppelin, os Deep Purple, os Pink Floyd, o Ozzy Osbourne, os Stones (não gosto) e nunca mais acaba por aí, Beatles, Abba... Francamente, tem que vir do berço, tem que vir aqui da terra. Os americanos responderam com o quê ? RAP! Vá lá a merda deles. Hoje em dia, infelizmente já não se dá o valor de então à musica europeia, que foi toda absorvida e praticamente extinta em nome da moda rappista vinda daqueles lados. Longe vão os tempos em que se escutava aquele traço genuinamente europeu na música, a complexidade de sons que se imbricavam maravilhosamente para dar lugar a lindas músicas, em que se notava, pelo menos nos melhores, aquele toque de música clássica que nos está no sangue. Nos Deep Purple nota-se bem isto, assim como no Ozzy Osbourne, Halloween, Europe, Cinderella. E aquelas lindas musicas italianas como Tozzi e Cutugno ? Tem que vir do berço, o melhor do melhor vem sempre aqui desta terra.

      Isso quanto ao blogger, albergado nos USA e liberdade de expressão, é verdade que graças a esse ponto da constituição, estamos um pouco protegidos da censura. E quando digo um pouco, é porque depende de quem. Tens por exemplo muitos europeus, aqueles que verdadeiramente causam problemas, que são censurados seja onde estiverem albergados. Tens um caso muito flagrante, que é o do Hervé Ryssen. Já lhe fecharam sei lá quantos sites, nem na Rússia escapa. O desgraçado do homem paga um ano de avanço par ser albergado, passados meses fecham-lhe o site e nem sequer lhe devolvem a massa. Agora contenta-se com um site de domínio comum, fecham, abre outro, fecham, abre outro, desde que não respingue muito, vão deixando-o ficar... depende Vasco, se começares a tocar em zonas sensíveis, podes crer que seja lá onde for, mesmo nos USA, és fechado, sobretudo que não podes respingar muito, pois nem sequer vives na América.

      Eliminar
    6. Eu acho que para compreendermos bem a mentalidade e a causa dos problemas dos americanos, é necessário começar pela Inglaterra. O ponto crucial, é o de saber quem dominava a economia inglesa...depois da revolução de Cromwell são os judeus que tomam as rédeas de toda a economia britânica e de todo o Império. E a partir daqui a missa está dita. A facilidade com que os judeus puderam moldar aquela terra, explica-se, segundo penso, pela falta de ancora cultural, devido ao desenraizamento. Esta falta de ancora, desenvolveu neles um extremo individualismo e assim uma aptitude avara pelo lucro, pelo dinheiro, pelo ganho, custe o que custe, nem que se tenha de escravizar os desgraçados dos irlandeses, que bem sofreram nas mãos dos ditos “puritanos”. Neste ponto, eles são como os judeus, têm esta coisa do comércio que mais lhes parece ter sido transmitida por sangue judeu. E é ver como eles se comportam, alinham-se praticamente todos sob o ponto de vista judaico, são todos sionistas. Aquilo é a terra do sionismo. Mesmo os ateus são sionistas, praticamente nada escapa à febre judaica. É ali que habitam os porcos que querem destruir a homogeneidade da Europa e impor-nos a cultura americana melting-potiana. Querem-nos impor de força aquela rascaria de música. É a terra da pornografia, onde as jovens americanas, para pagarem o crédito dos estudos, deitam-se frente a uma câmara com o primeiro negro vendedor de droga que lhes ofereça uma nota. Aquilo é uma autêntica podridão. Como diz o Thor, é um lixo a céu aberto.

      Isto não é obscurantismo, é a pura das realidades. É perfeitamente notório para quem abra um pouco que seja os olhos. O exemplo americano, é uma das mais fortes razões para nos opormos ao nomadismo publicitado pelos judeus. Aquilo que se passa ali, é o que nos vai acontecer se não tomarmos medidas em sentido contrário. Nós podemos olhar para o nosso futuro, pelos menos com uns 15 a 20 anos de avanço. Basta olhar para os USA e ver a triste figura em que aquilo está.

      Eliminar
    7. o computador não existe graças aos EUA coisa nenhuma, foi um Nacional-Socialista Alemão chamado Konrad Zuse quem o inventou.

      agora, claro que não se deve generalizar os EUA como sendo tudo mau, mas essa aparente liberdade existe graças à I Emenda do século XVIII, mais nada. e andam a querer acabar com ela tal como também com a II Emenda...muitos são judeus mas não são só os judeus.

      eu aos actuais EUA não devo merda nenhuma...à constituição Americana do Séc.XVIII talvez, mas à merdocracia não devo nada.

      ainda recentemente fecharam o ZionCrimeFactory e tem havido razias nos blogues desta àrea. de nada vale tarem sediados aqui ou ali.

      e, depois, tudo isso de Space Shuttle, sondas e mais não sei quê, é tudo derivado de cientistas Europeus, Paperclips e etc

      a América era um exemplo até 1933...então e todas as guerras antes disso, incluindo a I Guerra Mundial, onde o Bernard Baruch literalmente obrigou o Woodrow Wilson a entrar na guerra e a judiaria prometeu à Inglaterra meter os EUA na Guerra para ajudá-la a vencer, em troca da Palestina (declaração de Balfour)?

      isso de que até 1933 os EUA eram exemplo, não tem pés nem cabeça.
      em 1900 os EUA já eram um quintal dos judeus, quanto mais 1933.
      em 1909 já havia o NAACP, o conceito de "melting-pot" foi criado por um judeu precisamente nessa altura, etc, etc
      o jazz também nasceu aí.

      séries americanas, a maioria não vale nada e é só degeneração.
      Mark Twain, mais ou menos bom. não é tudo mau na América, ninguém diz ou disse uma coisa dessas.

      não vou discutir isso da Lua, já tinha dito. já percebi que é uma religião.

      nos seus 240 anos de existência desde 1776, os EUA só tiveram 7 ou 8 anos de paz. sempre estiveram em guerra, mas são ou foram um "exemplo" até 1933...

      já percebi que é uma religião. não há nada a fazer.

      Eliminar
    8. "Americanos puritanos"?! (até uns 16 min)
      https://www.youtube.com/watch?v=H2AUiFaPUbs

      Reparem que a série é ufanista. Mas não tiveram como tampar a podridão dos primeiros colonizadores.

      Os "pais fundadores" tinham escravos, amantes negras ou não, traficavam, plantavam tabaco, conspiravam, ... só a "nata" da humanidade.

      Além da Estátua da Liberdade, têm ocultismo na Represa Hoover também:
      https://www.google.com/search?q=masonry+dam+hoover&rlz=1C1AVNG_enBR691BR691&biw=1024&bih=667&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwiX7qCK1_bMAhXBG5AKHUjjCxwQ_AUIBygB#tbm=isch&q=occultism+Hoover+Dam

      Cobalto

      Eliminar
    9. "É a terra da pornografia, onde as jovens americanas, para pagarem o crédito dos estudos, deitam-se frente a uma câmara com o primeiro negro vendedor de droga que lhes ofereça uma nota. Aquilo é uma autêntica podridão. Como diz o Thor, é um lixo a céu aberto."


      já viste "as desavergonhadas" alguma vez? um "reality show" amer(d)icano que passa na Sic radical do Balsemão e que é uma ode ao putedo!
      "reality shows" também parece que foi mais um hábito decadente herdado da Amérdica. pode haver muitos "reality shows" na Europa, mas parece-me que essa moda começou por lá.

      o "sexo e a cidade" é um nojo que só poderia ser uma realidade na América.
      não é tudo mau na América. a América deu-nos o génio do Thomas Edison, se bem que ele tinha ascendência escocesa muito recente...e deu-nos outros génios.
      mas quer dizer...andar aqui a tapar o sol com a peneira e a negar evidências, só porque a América nos deu 3/4/5 génios!?? isso não faz sentido nenhum.
      isso chama-se tapar o sol com a peneira. a América pode ter coisas boas e pode ter dado génios e grandes escritores aqui e acolá...mas de um modo geral aquilo é medíocre, banal, mundano e decadente.
      a cultura dominante é lixo puro, é materialismo puro enjudaízado como diz o gang.
      lá por haver excepções e coisas boas, isso não serve para tapar o sol.
      as massas são medíocres. 90% ou mais, são "manada" estúpida, uma cambada de porcos de engorda alienados sentados num sofá a enfardar mcdonalds, beber litradas de alcool e ver baseball.
      é a realidade, não há nada a fazer.

      Eliminar
    10. sobre Space Shuttle, programas espaciais, e outras invenções, incluindo a bomba atómica dos "bons":

      http://en.metapedia.org/m/images/f/f3/Third_reich_inventions_that_were_copied.png

      Eliminar
    11. Vejamos a diferença entre o europeu do Brasil e o europeu desenraizado americano. O ultimo é orgulhoso, o primeiro é humilde e nunca levou o seu país a meter o bedelho nos assuntos dos outros países. E portanto recursos económicos para isso, têm-nas largamente acima dos americanos. Mas nunca tiveram esta prontidão e olhar unicamente espetado no ganho e lucro como o americano.

      Acho que o factor religioso explica esta colossal diferença. O Protestantismo americano, está mais em linha com o Velho Testamento do que o Catolicismo, são literários e olham para a letra como os judeus, em vez de tirarem o ensino para além da letra como fazem os católicos. Um apela mais ás virtudes espirituais e outro ás virtudes humanas.

      Esta conotação algo materialista do protestantismo, está em total contradição com a essência racial do europeu. Lembremos-nos do que Tácito dizia dos Germanos, que eles não tinham o gosto do ouro, e perguntava-se se isto seria uma virtude ou falta dela. A única riqueza, e o que eles consideravam como riqueza, era os seus rebanhos, as suas cabras, ovelhas, vacas, porcos, cavalos...Também não encontramos esta ganância nos Celtas, se bem que davam uma certa importância ao ouro, as suas tendências para o espiritual, equilibravam a balança, nem do tão pouco que sabemos dos Iberos encontramos isto.

      O caso americano é mesmo um caso à parte, como diz o Vasco. Há ali vários elementos sociológicos que nos escapam. Desde o principio, começaram a nascer seitas e comunidades sectárias que se menosprezavam uns aos outros. Por exemplo, os católicos eram muito mal vistos, notavelmente os irlandeses.

      Logo desde o principio, os ingleses pensavam que aquilo era a "terra prometida", que ali existiam tribos judaicas do Velho Testamento. Existiam mesmo seitas que se agarravam às leis do Velho Testamento tal e qual os judeus o faziam.

      Francamente, aquilo tem qualquer coisa de judeu, aquela mentalidade é fortemente judaizada, um protestantismo enjudaizado, calvinista.

      Eliminar
    12. Exactamente, eu não tenho nenhum problema em afirmar que o europeu brasileiro é racialmente mais próximo dos seus antepassados europeus do que o europeu desenraizado americano. Existe uma linha que os liga aos seus antepassados, que por mais ténue que seja, é o suficiente para terem esta característica genuinamente europeia, que se pode observar ao longo da sua história, de um modo geral, em que a ganância do ganho esteve mais coisa menos coisa, ausente. Atentemos nas palavras de Tácito...está aí a diferença. O desenraizado americano sempre procurou o lucro, quase dizimou os búfalos daquelas terras só para lhes sacar a pele e lucrar, sem falar da busca incessante do ouro, que ainda hoje continua.

      Eliminar
    13. Interessante, porque vasculhando um pouco a história, já alguns visionários, bem antes de 1890, e estamos a falar de 1833,34,50, já metiam em guarda a sociedade europeia sobre a amplitude e consequências do espírito da filosofia mercantil americana. Falava-se mesmo de “nobreza mercantil”, e perguntava-se que cegueira era esta que levava os americanófilos europeus a idolatrar este americanismo mercantil e centrado unicamente no lucro, na venda, na produção de bens materiais... questionava-se o facto de terem de um dia para o outro deixado de idolatrar a Inglaterra e começado a odiá-la ao mesmo tempo que começaram a idolatrar a América e a amá-la.

      Eis aqui as raízes profundas da América, esta obsessão mercantil de lucrar por todos os meios. Ainda hoje notamos isto, porque é um país que alberga os ladrões da humanidade, que os ajuda e sacrifica o seu próprio povo para encher o cu aos destruidores da humanidade. Não se encontra povo mais inclinado neste mundo, a lamber as botas dos judeus que os americanos. E morrem mesmo por eles. Sacrificam-se pelos 4 cantos do mundo a levar as guerras dos judeus em avante. É este espírito mercantil, que os aproxima da mentalidade capitalista judaica e têm mais em comum com o judeu, que propriamente as suas raízes europeias. Estão enjudaizados desde há longo tempo.

      Este povo precisa de acordar, precisa de voltar ás suas raízes e mentalidade europeias, tem que se dejudaizar e que se farte de uma vez por todas de andar a lamber o cu aos judeus.

      Eliminar
    14. «Em 1800, já eram 4 milhões os Brancos nos EUA, quando no Brasil seriam provavelmente na ordem de 1-1,2 Milhoes. E tens de ter em conta que saíram quase 1 milhão de Portugueses e cerca de 0,5 milhões de Ingleses.

      o sucesso da povoação inglesa é claro e inquestionável, os colonos proibiram a mistura racial nas colónias da América do norte, a mistura racial era quase inexistente, a coisa era levada muito a sério.»

      Vamos relativizar esse sucesso. Primeiro não só imigrantes ingleses foram para lá. Não podes englobar nos "ingleses" os alemães, os suecos, os franceses, os espanhóis, os noruegueses, irlandeses, e tinhas muitos e muitos chineses. Por exemplo apenas 60 anos depois, desde 1800, já existiam 4 milhões de irlandeses, que de costume, mas erradamente, se diz "ingleses". Tiro estas referências do livro de George Fisch, que esteve lá nove meses e nos descreve a sociedade americana daquele tempo e a sua história, 1861.

      Eliminar
    15. “Vamos relativizar esse sucesso. Primeiro não só imigrantes ingleses foram para lá. Não podes englobar nos "ingleses" os alemães, os suecos, os franceses, os espanhóis, os noruegueses, irlandeses, e tinhas muitos e muitos chineses. Por exemplo apenas 60 anos depois, desde 1800, já existiam 4 milhões de irlandeses, que de costume, mas erradamente, se diz "ingleses". Tiro estas referências do livro de George Fisch, que esteve lá nove meses e nos descreve a sociedade americana daquele tempo e a sua história, 1861.”
      Vamos falar disto de forma rigorosa, tu colocas na mesma lista ingleses, franceses, etc como se tivesse todos a mesma importância na composição da população dos EUA.
      Em primeiro lugar, a primeira colónia foi jamestown em 1607, a partir de 1620, começou a colonização dos puritanos, quando rebentou a revolta colonial de 1776, a esmagadora maioria da população era Inglesa, como podes consultar nos censos que eles faziam regularmente (em Portugal, o primeiro censo foi só em 1864).
      https://en.wikipedia.org/wiki/Demographic_history_of_the_United_States#Population_in_1790
      Como podes analisar, por exemplo, relativamente a 1790, a população branca dos EUA nesse ano seria de 3,1 milhões, desses 2,4 milhões eram ingleses(incluindo também os colonos de hulster que eram de origem inglesa directa)
      Portanto, no total, eram 2,4 milhões em 3,1 milhões, quase 78% do total.
      Os restantes brancos, eram arianos nórdicos, ou seja, da mesma raiz racial que os Ingleses,
      Os judeus eram 0,06% do total.
      Inicialmente e durante muito tempo, todos os presidentes, senadores, juízes, enfim, toda a elite eram Ingleses. Eram de tal forma etnocêntricos que originalmente nem sequer pretendiam considerar como brancos os Alemães, consideravam-nos demasiado asiáticos(hunos).
      Os EUA já estavam formados como nação em 1790, a partir dessa data começaram a entrar outros imigrantes Europeus, mas em número não muito significativo, ao ponto de ainda em 1840, os EUA serem praticamente uma nova Inglaterra. Por volta deste período começaram a entrar irlandeses em massa nos EUA, mas como sabemos, são uma população geneticamente e culturalmente idêntica aos Ingleses, assimilaram-se facilmente. Na década seguinte começaram a entrar Escandinavos e Alemães, que também são povos semelhantes e também se assimilaram com facilidade. Tudo mudou a partir de 1890, nesse período começaram a entrar judeus, eslavos e latinos, estas populações, sobretudo os judeus eram hostis à cultura dominante Anglo Saxonica e Protestante e foi então entre 1890 e 1924 que a sociedade Americana foi abalada, mas entretanto, surgiu um movimento de resistência Nordicista que conseguiu suster o declínio demográfico durante algum tempo, até 1965, quando os efeitos de um longo período de sabotagem deram “fruto”. O marxismo cultural triunfou nos anos 60’.
      Em resumo, em 1840, a esmagadora maioria da população era inglesa(próximo de 80% da população) e mesmo com toda a imigração em massa, em 1980, um estudo do departamento de estado N.Americano, declarou que ainda metade da população do pais era de origem britânica(ingleses, escoceses, irlandeses) mais de 113 milhões de pessoas.
      Mesmo na actualidade, não menos de 33% da população é de origem Britanica, falamos de mais de 110 milhões de pessoas.

      Eliminar
    16. Engraçado, se bem que o livro de George Fish tenha um conteúdo muito favorável à América daquele tempo, no entanto há certos pontos que merecem ser realçados.

      Logo no principio do livro, ele descreve-nos um frenesim de mercadores, que esperam as suas mercadorias. (Ah esta avidez pelo mercantilismo!)

      No capítulo da educação, é mencionada esta atitude americana de se considerarem superiores aos outros povos. Que graça, um país que ainda mija no penico e já se crê superior aos países com séculos e séculos de existência e história.

      Agora quando ele nos tenta descrever o carácter nacional daquele povo, a dificuldade é tanta que rapidamente ele nos adverte logo sobre aquela gente que imigrou para ali : “Não se deve esquecer que a América juntou os elementos mais amargos da velha Europa...”

      Ainda sobre aqueles escritores europeus que tecem elogios à América, é dito que os americanos eles mesmos, desprezam o conteúdo dos elogios em si, mas sim o que os preocupa é contar o número de elogios! (Ah! Tudo é números! Só os números é que contam!)

      As boas intenções de Fish, de descrever a moral, os costumes, a vivência do americano daquele tempo, mesmo sendo elogiosas e agradáveis, a ler com atenção deixam desde logo antever esta propensão aos “números” e uma suposta “superioridade” que francamente não sei de onde lhes veio esta ideia de “povo superior”.

      E mais prova, quando afirma que "os americanos são os elementos amargos da Europa", de que foram os mais baixos e fracos que imigraram para aquele país. Daí que nunca tenham conseguido nada mais que oferecer ao mundo, comida de plástico. Este é o contributo para a humanidade feito pelos americanos : comida de plástico.

      Eliminar
    17. “Interessante, porque vasculhando um pouco a história, já alguns visionários, bem antes de 1890, e estamos a falar de 1833,34,50, já metiam em guarda a sociedade europeia sobre a amplitude e consequências do espírito da filosofia mercantil americana. Falava-se mesmo de “nobreza mercantil”, e perguntava-se que cegueira era esta que levava os americanófilos europeus a idolatrar este americanismo mercantil e centrado unicamente no lucro, na venda, na produção de bens materiais... questionava-se o facto de terem de um dia para o outro deixado de idolatrar a Inglaterra e começado a odiá-la ao mesmo tempo que começaram a idolatrar a América e a amá-la.

      Eis aqui as raízes profundas da América, esta obsessão mercantil de lucrar por todos os meios.”

      Mas o que dizes tu? Se queres imputar responsabilidade a alguém sobre a responsabilidade de um espírito mercantilista tens de culpar sobretudo os Holandeses e também os Portugueses, fomos “nós” os primeiros a comprar e a vender, depois os holandeses dominaram as nossas rotas comerciais e foram os fundadores das bases do capitalismo que hoje impera. Se bem que, ao falar de “holandeses” sabemos todos que a judiaria era quem tinha mão naquilo. Os EUA foram fundados com base em princípios de liberdade religiosa e no isolacionismo internacional. Quando os EUA se começaram a tornar numa grande potência e que a judiaria mudou o centro para N.York. Não foi a elite anglo saxonica puritana que decidiu corromper a América, foram os novos imigrantes pós 1890 que destruíram aquilo tudo e de forma oportunista, usaram e abusaram da tolerância e liberdade que lhes deram. É impossível que uma população com as características de 1840 tenha degenerado até este ponto, tudo o que estou a dizer é sabido e já foi analisado a fundo, no caso dos EUA há mesmo provas contundentes de quem foram os criminosos. É um país recente, de 1890 até 1960, não é assim tanto tempo.
      Pensa no seguinte, a entrada de milhões de muçulmanos na Europa vai transformar a nossa civilização, mas tu não tens culpa disso, tu és contra, como tu há muita gente contra, certo? Então que culpa tiveram os Anglo Saxonicos de terem deixado entrar serpentes lá dentro? Podemos apenas acusa-los de terem sido humanos e bondosos. A lição é que temos de ser impiedosos e implacáveis contra o inimigo.

      Eliminar
    18. “Exactamente, eu não tenho nenhum problema em afirmar que o europeu brasileiro é racialmente mais próximo dos seus antepassados europeus do que o europeu desenraizado americano. Existe uma linha que os liga aos seus antepassados, que por mais ténue que seja, é o suficiente para terem esta característica genuinamente europeia, que se pode observar ao longo da sua história, de um modo geral, em que a ganância do ganho esteve mais coisa menos coisa, ausente. Atentemos nas palavras de Tácito...está aí a diferença. O desenraizado americano sempre procurou o lucro, quase dizimou os búfalos daquelas terras só para lhes sacar a pele e lucrar, sem falar da busca incessante do ouro, que ainda hoje continua.”
      Fogo…
      Olha, os Americanos de origem Europeia, sabem exactamente a origem étnica deles, têm orgulho na raça deles, agora, se estão em degeneração, isso ninguém nega, mas esse fenómeno afecta toda a Europa, todas as coisas negativas que vocês estão a apontar são verdade, mas afectam todo o ocidente. Até parece que os EUA são uma civilização à parte, a ideia é que vocês percebam que aquilo nunca foi uma nova civilização, mas a continuação de algo. Os EUA foram fundados por gente muito boa, com princípios e ética, a corrupção nos puritanos era algo muito pouco presente. Nos EUA, analisando a topografia, verificamos que eles respeitavam a Europa. Por exemplo, nos EUA tens diversos locais com o nome nova Lisboa, no Brasil nem 1 único!!
      No Brasil, a maioria dos brancos brasileiros pensa que é uma mistura de índio com negro e branco, são completamente ignorantes sobre questões étnicas, desprezam Portugal e os Portugueses, têm complexos de inferioridade, chegaram ao extremo de renomear nomes e locais da era colonial para nomes índios, é falso dizer que o branco brasileiro respeita as raízes. Não sei no que te andas a basear, mas eu não concordo mesmo nada com o que disseste.
      Pondo de lado preconceitos, uma grande parte dos brancos N.Americanos são generosos e tradicionais, os EUA, não são so N.York. São tão vitimas da máfia como nós.

      Eliminar
    19. Não estava a falar de “respeito”, mas de conservação de traços de carácter longínquos. Se atentarmos nas palavras de Tácito, os americanos estão tão longe dos europeus quanto os brancos brasileiros o estão próximos.

      Eu sei que há um manifesto desprezo por boa parte dos brancos brasileiros do que é português. Mas não é só ali, vais por exemplo a uma França, escutarás o mesmo desprezo. Todos os países da Europa desprezam o português. Têm mais tendência a lamber os pés de um árabe e oferecerem-lhes as suas mulheres e o cu, do que dizerem algo agradável sobre os portugueses, que tanto quanto seja, se limita apenas a “os portugueses são excelentes trabalhadores”. Preferem porem-se de cu para o ar frente a um árabe. É triste mas é assim. Ninguém e nenhum país desta Europa e neste mundo, nos ensina seja o que for, talvez seja por isto que nos invejam e falam sempre mal de nós. Acusam-nos a nós dos defeitos que eles mesmos se recusam a ver em eles mesmos.

      Isto ser português não é para qualquer um. Só para valentes. Um povo com culhões à D. Afonso Henriques, causa sempre inveja vá para onde for.

      Sobre o mercantilismo, se desejares ir por aí, isso já vem de longe, desde o tempo dos Romanos e bem antes. Não falava no aspecto propriamente a falar de “transferência de mercadorias”, mas sim no pensar lucrativo dessa mesma transferência. Quando um português troca 1 ovelha por 2 cabras com um espanhol, já um americano fará tudo apenas por te dar uma só pata da ovelha em troca das 2 cabras. O judeu ainda faz pior, só te dá um saco com ar lá dentro que cheira a ovelha em troca das 2 cabras.

      Eliminar
  8. E Gang, tem também em consideração que a Austrália foi colonizada em parte com condenados das ilhas britânicas e ninguém aqui tem duvidas que a população Australiana de origem britanica altamnte evoluida e têm uma qualidade de vida e desenvolvimento superior a qualquer país Europeu.

    Naquela época, muita coisa era considerada crime e hoje não é, a maior parte dos condenados eram-no por motivos morais, o crime que hoje associamos a gente degenerada(assassinatos, mutilações, violações etc) eram uma minoria dos crimes..

    na realidade, a Austrália, EUA, Canadá, etc foram povoados de grande qualidade, não prosperaram propriamente por serem democracias, senão, o Brasil tambem podia ser tão ou mais rico do que esses países..

    ResponderEliminar
  9. "Com o a nova ordem mundial pos 45' e sobretudo a partir dos anos 60' ficou definido pelas elites dos EUA que o país era multirracial, multicultural, é isto que tem sido promovido pelos media, estúdios de cinema etc etc"

    o multiculturalismo criado nos estados unidos foi em grande parte uma Estratégia de dominação,a construção de uma sociedade dividida em raças onde existe uma "competição" entre os diferentes grupos,um ódio mútuo entre os diferentes grupos,uma coisa que percebi com observação no dia a dia é que quanto mais multicultural e multirracial for um país,mais as pessoas se tornam consumistas,se importam mais com as aparência e se preocupam se com os outros,na Europa não vejo muito isto(posso estar enganado)tanto é que meus parentes que vivem na Europa dizem que as pessoas não costumam ostentar roupas,e coisas caras aos olhos dos o outros,me parece também que quanto mais "multi" for um país maior é o esforço para que se mostre o que ele não é ou seja uma certa megalomania,vejo isto nos Estados unidos e principalmente no Brasil,existe uma atmosfera de uma autoestima exagerada,não vejo isto em países homogêneos,sua autoestima é medida em consequência de suas conquistas como país,seu orgulho como nação vêm da consequência da construção pelo seu próprio povo.em Relação aos Estados unidos sempre foi e sempre será um país de imigrantes,era uma potência de grande valor quando chegava imigrantes europeus,mas com a ascensão da "Nova esquerda" nos anos 60 e o lixo esquerdista que se instalou com a escola de chicago e de frankfurt,criadas pelos mestres judeus com objetivo de dominar os Estados unidos,a coisa desandou,as ideologias desta escola do mau se disseminaram de certa forma que tornaram os Estados unidos um balde de merda que é hoje,vejo também que os Orgs conseguiram através da tomada de hollywood e das mídias moldarem a sociedade americana(grande parte,não toda)a sua visão de mundo,ou seja a judiaria conseguiu de certa forma alinhar seu mundo imaginário com a realidade transformando antes um país de certa forma ordeiro em um hospício,da mesma forma que fizeram em Berlim antes da tomada de poder pelo funrer,agora estão tentando fazer a mesma coisa com a Europa.

    ResponderEliminar
  10. De fato, muitos autores afirmam que Hitler teve relação com os Illuminati. Há duas teorias principais sobre o tema. Uma das teses é que o Fuhrer foi uma simples marionete nas mãos da organização. Em sua escalada ao poder, foi apoiado nos âmbitos político e financeiro pela Fraternidade. Depois foi aconselhado a agir como agiu, desencadeando a Segunda Guerra Mundial. Em seguida os Illuminati o fizeram cair. A outra versão sustenta que os Illuminati teriam apoiado Hitler até ele chegar a Chancelaria, mas quando conquistou essa posição, o Fuhrer decidiu seguir o seu próprio caminho. Para tanto se protegeu com sua própria organização armada, a SS, dirigida por Heinrich Himmler. Não podendo se vingar pessoalmente, os Illuminati teriam optado por satanizar sua imagem pública. Dessa maneira, a Ordem advertia a todos os futuros colaboradores de seus planos sobre o destino que os aguardava se um dia também lhes ocorresse traí-los. Os Illuminati se infiltraram no próprio Vaticano, a Opus Dei é controlada pela organização. Antes da canonização do fundador da Opus Dei, José Maria Escrivã, a associação Católicos pelo Direito de Decidir publicou nota afirmando que “ a evidencia atual é que o Opus tem uma influencia cada vez maior. Com sua filiação à Obra(Opus Dei), um crescente número de intelectuais, médicos, parlamentares, juizes e jornalistas dão ao Vaticano uma força poderosa e oculta que pretende impor seu código moral não somente ao católicos, mas através das leis e da política.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei que existem umas teorias sobre uma suposta ajuda de grupos obscuros a Hitler, mas sinceramente, do pouco que conheço do NSDAP, não encontro fundamentos históricos para apoiar essa dita "ajuda". A primeira das razões, e acho a mais forte delas todas, é que Hitler nem sequer estava preparado para uma guerra, ou uma dita guerra mundial. Ele viu-se mesmo ás aranhas e com grandes dificuldades para organizar um ataque aos bolcheviques antes que estes o atacassem, e teve de ser de "surpresa", de outra maneira seria esmigalhado pelo exército bolchevique.

      Eliminar
    2. Só acrescentar que a pornografia teve os primeiros passos em França, de tal forma que ainda nos anos 80' Quando nos EUA alguém falava em ver um filme francês, era logo conotado como ver um filme pornográfico.
      Depois sobre as listas pessoais do que não gostamos nos EUA, eu podia colocar aqui milhares de coisas que não gosto, mas tenho outras milhares de coisas que gosto muito.
      The Doors, Nirvana, Frank Sinatra é musica muito boa
      Bravehart, Gladiador, Gangs of N.Y, filmes muito bons,
      Enfim, este tipo de generalizações só prejudicam a união entre arianos, um Americano que leia isto.. deve ficar pouco impressionado.
      Isto é o que fazem certos tipos que fazem videozinhos de merda de musica pimba, jogadores da selecção mestiços, negros pelo pais e depois generalizam e dizem que todos os Portugueses são uma merda.
      E gang, o Linux foi criado a partir do UNIX que foi um sistema gerado nos EUA dos laboratórios AT&T ken Thompson.
      Quando falo de computadores sei do que estou a falar, é a minha área profissional. O primeiro computador operacional foi o ENIAC, criado nos EUA. Não houve 1 só homem que inventou o computador, foi uma contribuição de muita gente, o principal poderá ter sido Turing. Mas a industria actual é dominada pela Intel e Amd, ambas industrias N.americanas, nos vossos computadores, esses circuitos integrados foram desenhados em silicon Valey.
      Eu não vejo as coisas em termos de competição europeus vs Euro Americanos, porque para mim, são ambos parte da mesma família. A capacidade Tecnologia e cientifica dos EUA é avassaladora é a realidade que o diz, não eu.

      Eliminar
    3. Não, a pornografia foi generalizada a partir dos USA, e foram os judeus, lá para os finais dos anos 60 e 70 que começaram a fazer os primeiros filmes. Tenho para aí um artigo interessante sobre isso. Mas se desejarmos ir mais longe, tens o judeu criador do famoso "Super-Homem", que fazia banda desenhada pornográfica até que se resolveu a criar o "Super-Homem", que hoje vemos na televisão e banda desenhada. É o "Messias" judaico em banda desenhada.

      Isso é verdade que o Linux tem origem do UNIX. Mas se reparares, o boum económico extraordinário dos americanos, começou logo após a 2ª guerra mundial, um facto estranho, sobretudo quando sabemos que vieram pilhar aqui dos melhores cérebros europeus. Coisa que ainda hoje continua. Alguém aqui que se faça sobressair, é rapidamente assediado e galanteado para ir para os States.

      Eliminar
    4. «Eu não vejo as coisas em termos de competição europeus vs Euro Americanos, porque para mim, são ambos parte da mesma família. A capacidade Tecnologia e cientifica dos EUA é avassaladora é a realidade que o diz, não eu.»

      Nisso não posso estar de acordo contigo. a capacidade cientifica americana apenas ofereceu ao mundo comida de plástico. Comparemos taco a taco seja o que for se desejares. Nada e nada vindo dali passa nem de longe nem de perto se iguala ao génio aqui do berço. Preferes o quê ? Um Mustang que apenas debita força ou um Mercedes do génio alemão que debita força e conforto máximo ? MAs se quiseres só força e potência, também tens um Ferrari do génio italiano. qual escolhes ?

      Seja no que for o génio genuinamente europeu faz logo a diferença. Mesmo em testes de combate já feitos, a merda do F-22 não conseguiu passar as performances de um Rafale francês em combate um contra o outro. Nada de nada. Os americanos têm a mania que são um "povo superior", e mesmo com todos os meios económicos que têm e toda a arte que têm de impedir os europeus de se desenvolverem, mesmo assim não nos passam em nada. Apenas numa coisa eles conseguem ser melhores que nós, é na comida de plástico. Lá nisso, nesse grande contributo que eles deram à humanidade, nós estamos muito abaixo. O nosso cozido à portuguesa fica a anos-luz de um McDonald's.

      Eliminar
  11. https://m.youtube.com/watch?v=MuOE3IJZoZU

    jogo do "privilégio branco"

    ResponderEliminar
  12. errata,

    Eu disse 78% de Ingleses em 1790.

    Mas analisando aquilo, se adicionarmos os 200,000 que segundo a informação são também ingleses mas dados que se perderam ao longo do tempo mais os escoceses(que naquela altura vinham do sul da Escócia repovoada por ingleses) O rácio chega quase aos 90%(88,9)

    é mesmo obra,

    E no brasil? Nem se sabe porque o primeiro censo foi realizado em 1872, e nessa altura apenas 38% da população era Branca.

    Eu francamente não sei até que ponto a população de base Branca do Brasil foi "contaminada" com sangue idio e negro. Já vi estudos que confirmam essa infusão(sr. Pena etc) Mas outros que refutam isso e que declaram que a presnção de genes não europeus na população Branca é muito menor do que se diz.

    Esses estudos no Brasil são mesmo muito politizados e é preciso ter muita cautela na analise.

    Eu não acredito que 66% do adn mitocondrial dos Brancos no Brasil seja índio ou negro. Isso é excessivo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas no nosso caso é muito compreensível, nós não tínhamos população, já lá nos princípios de 1600, se punha o problema da falta de população, tanto que se punha a hipótese de contratar os serviços dos italianos para levarem a cabo acções de segurança e vigilância tanto na Índia como no Brasil. Nós sempre tivemos um Império que passava largamente os nossos meios e as nossas capacidades. Um milagre foi ter garantido durante tantos anos estes Império à vista do minúsculo povo que éramos e somos, sobretudo em relação aos outros com populações 20 vezes a mais que nós. Isto é que é um milagre! E é aqui que se vê o que é um português.

      Eliminar
    2. «Esses estudos no Brasil são mesmo muito politizados e é preciso ter muita cautela na analise.»

      Tal e qual como o são em Portugal. Basta observar as gigantescas e colossais comunidades judaicas dos outros países europeus... mas só Portugal e Espanha têm sangue judaico. A crer que aqui os miseráveis misturavam-se e não havia leis que o proibiam, e de repente nos outros países europeus, deixaram-se de misturar milagrosamente! Eu já li leis eclesiásticas de 1400 e tal, aqui em Portugal, em que era expressamente proibido um judeu ou judia andar com uma portuguesa ou português, igualmente em relação aos mouros. E ai de aquele que fosse apanhado...era no tribunal da Igreja que ele era julgado. Igualmente aquela ou aquele que incitassem ao aborto, iam a julgamento. Portanto como disse, essas tretas de que Portugal tem sangue judeu, não passam de aldrabice politizada. O sangue judaico encontra-se com mais facilidade lá para a Alemanha, para uma Holanda, uma Inglaterra, Polónia, etc, etc, mas nessas estatísticas de adn que andam por aí, estranhamente não aparece nada...só Portugal e Espanha é que têm sangue judaico...os Iberos são sempre os desgraçados da fita, os outros são santos e imaculados.

      Eliminar
    3. "Logo desde o principio, os ingleses pensavam que aquilo era a "terra prometida", que ali existiam tribos judaicas do Velho Testamento.
      Existiam mesmo seitas que se agarravam às leis do Velho Testamento tal e qual os judeus o faziam.

      Francamente, aquilo tem qualquer coisa de judeu, aquela mentalidade é fortemente judaizada, um protestantismo enjudaizado, calvinista."


      está muito bem visto isto (o único problema é o catolicismo também ser judeu) mas sim, nessa altura muitos acreditavam que existiam tribos judaicas perdidas ali. o William Cooper (deves conhecer) dizia que essa mentalidade das tribos judaicas perdidas era o "British israelism" que ele diz ser o verdadeiro "sionismo". não eram judeus e sim anglo-saxões que se viam a si mesmos descendentes das tribos perdidas de "israel". são "13 tribos perdidas" e curiosamente são o mesmo número das linhagens "iluminatti", digamos assim. e portanto, essas linhagens perdidas, sejam falsas ou verdadeiras, é que criaram essa mentalidade e espírito tão sionista. de nada vale ser Ariano ou até nórdico por fora, mas por dentro ser judeu. culpa do cristianismo judaízado, mais uma vez.

      Eliminar
    4. Não estou a ver quem é o William Cooper, isso que disse, ouvi-o do Pr.Hillard, que cita Cecil Roth (um historiador judeu) e Carrol Quigley (um mundialista universitário, professor de Bill Clinton), que falam de como os judeus estabeleceram laços tão fortes com os anglo-saxões mais que qualquer outro povo deste mundo. Razão pela qual os americanos e ingleses, são os ferros de lança do judaísmo por esse mundo fora. E isto já vem de longe, desde a revolução de Cromweel.

      Eliminar
    5. correcto. mas o maior culpado pela criação desses laços estreitos entre os judeus e os anglo-saxões foi o cristianismo (não apenas o protestantismo)

      quanto ao Bill Cooper:
      https://www.youtube.com/watch?v=CqaJFn4Xgbs

      já te tinha falado dele. ele só não culpava muito os judeus e minimizava os judeus, mas tirando isso, foi um pensador bem razoável. pena não ligar nada à identidade racial.

      Eliminar
    6. Não conhecia, nem me lembro que me tenhas falado dele. Sim, nesse aspecto, eu dou-te uma certa razão, que o Cristianismo serviu de ligação entre um e outro. Nós temos o Protestantismo Luterano e o Calvinista. O Luterano é uma divisão que apareceu do Catolicismo, o Calvinista, já é uma versão judaizada do Protestantismo de Lutero, ele mesmo Lutero era correcto em relação ás atitudes do judeu, este não se rogava acusá-los seja do que for. Calvino, esse é uma mascarada, pois ele mesmo é judeu. E é este calvinismo que parte ao assalto da Inglaterra. Tanto que se cria o Anglicanismo, teses protestantes calvinistas à mistura com liturgia católica.

      É verdade que isto é uma grande salada. Mas a meu ver, o ponto de partida, ou pelo menos aquele que vai estabelecer a ligação ou facilitar a entrada dos judeus nos destinos dos anglo-saxões, é o Calvinismo, os tais "puritanos" de que o Vasco falava.

      Nisto dou razão ao Thor, a Igreja devia ter feito mais atenção a estes desvios e tê-los combatido logo de inicio. Hoje sofremos desta falta de atenção e deste desleixo das entidades daquele tempo, tanto da parte dos luteranos como dos católicos.

      Eliminar
    7. é por isso que digo, de nada vale ser "nórdico", mas por dentro ser judeu ou, pelo menos, judaízado.
      só a raça não é tudo.
      eles com os Alemães não conseguiram criar tantas ligações, não sei porquê. a Alemanha sempre foi mais enraízada, patriótica e menos individualista.
      os EUA já nasceram tortos e a Inglaterra, não sei explicar porque sempre gostou mais dos judeus que os Alemães.

      aliás, o próprio Marx foi expulso de vários países incluindo Prússia, e mesmo na Alemanha foi censurado. foi expulso de Paris, da Bélgica, etc só na Inglaterra é que foi bem recebido e ficou por lá até morrer. estranho!

      só o protestantismo não explica tudo, porque também havia protestantismo na Alemanha.

      Eliminar
    8. Mas o protestantismo alemão é Luterano, este é rígido com a judiaria, na Inglaterra já é o protestantismo Calvinista, bem enjudaizado.

      O livro do Carrol Quigley explica tudo etapa por etapa. Agora talvez o Vasco compreenda a minha posição em relação aos anglo-saxões. É que quando sabemos estas coisas, emitimos logo a mínima dúvida a tudo o que venha desses lados. É um povo, que desde muito cedo foi educado para servir o espírito judaico. Eles mesmos nem se apercebem deste facto. Cada guerra que levam avante em nome da "judéocracia", cada sacrifício que fazem dos seus próprios filhos nessas guerras, não lhes beneficia nada no longo termo. Sinceramente, não vejo nada de bom para o povo americano. Tudo o que fizeram para defender e proteger os judeus, acabará por retornar-se como um efeito de boomerang na sua própria cara. Porque quem serra a mão do judeu, não pode esperar boa coisa de retorno.

      E hoje já começamos a notar as consequências dessa fidelidade mortífera aos judeus. Não só eles, como nós, e em todo o mundo.

      A solução, passa por uma tomada de consciência por parte do povo americano, mas creio que isto acontecerá depois de uma grande estalada que lhes fará acordar de maneira abrupta. Quando isso acontecer, certamente já muitos milhões de vidas americanas foram ceifadas... esperemos que não seja tarde quando esse momento chegar. Igualmente os ingleses, para eles a sentença é igual.

      Um pacto com o demónio paga-se caro.

      Eliminar
    9. "Eles mesmos nem se apercebem deste facto" a fava. Eles têm muito bem consciência dos seus actos, pois eles mesmos são todos, ou praticamente todos, sionistas. Eles mesmos desejam restaurar o "reino judaico", é isto o sionismo, reconhecem os judeus como o "povo eleito".

      "Povo eleito" do quê ? Só se for do esgoto.

      Eliminar
    10. lol já respondes a ti mesmo e corriges as tuas próprias frases ;)

      mas, sim, tens razão. a única explicação que eu encontro para isso é que eles devem-se ver como "herdeiros" das supostas tribos celto-saxónicas de "israel"...

      até há livros sobre isso:
      http://www.israelite.info/Graphics/SakaBkCover4.jpg

      e nos EUA há teorias de que jesus era "israelita" mas não era judeu e sim anglo-saxão, celto-saxão ou coisa assim.
      daí o apego dessa gente àquela zona e ao médio-oriente...bem como ao cristianismo.
      depois também há as teorias - nas quais não acredito - de que antigamente os ditos "iluminatti" reinaram no Egipto e antes na Babilónia (actual Iraque) sendo essa elite composta por Arianos e nórdicos, etc

      não acredito nisto, diga-se...mas eles é que, pelos vistos, devem acreditar nessas lendas. e daí fazerem sempre o jeito aos judeus e lutaram por israel até à morte, como se aquilo fosse deles.
      indo até ao ponto de querer expandir israel, precisamente até ao Iraque, passando pela Síria, Jordânia e até uma parte do Egipto.

      é um misto de lendas, poder, petróleo, sionismo, etc
      o Bush, por exemplo, até o Talmud segue:
      http://www.texemarrs.com/images/bush_with_talmud.jpg

      Eliminar
    11. Isto para o Vasco, sabes como é que os ingleses conseguiram derrotar a "Armada Invencível" ? Graças a um marrano! Que partiu de Lisboa a avisar o Rei de Inglaterra, que os portugueses e espanhóis preparavam uma grande armada de navios para conquistar a Inglaterra. Quando a "Armada" lá chegou, nem imaginavam eles que os ingleses já estavam há muitos dias preparados para isso. Depois também tiveram a ajudar, ainda por cima, a tempestade. Mas de qualquer dos modos, eles já tinham a surpresa preparada assim que a "Armada" chegasse. Tudo graças a um judeu que habitava na Inglaterra e dispunha dos seus pontos de comércio, um deles era Lisboa. E os seus informadores, através de mensagem por estafetas, a cavalo, fizeram chegar esta informação a Inglaterra. E toda a nobreza inglesa começou a estimar muito os judeus. Depois foi num instante como a nobreza inglesa foi convencida a deixar os judeus comerciantes holandeses a instalarem-se em Inglaterra, na City, que ainda hoje dominam.

      Eliminar
    12. «até há livros sobre isso:
      http://www.israelite.info/Graphics/SakaBkCover4.jpg»

      Grande paranóia essa, por acaso já tinha ouvido uma paranóia sobre "British" que eles dizem ser uma palavra lá do livro de Génesis e que estabelece, segundo esses malucos, o sangue judaico dos ingleses. Eles fazem umas distorções e ginásticas incríveis para se considerarem descendentes dos judeus.

      Que paranóia incrível, assim como isso das Babilónias, Egiptos e Iluminatti não acredito também. Isso já é esticar um pouco a corda.

      Que havia arianos no Egipto, havia, Thot era ariano, que se não estou em erro, era o conselheiro de Osirís. Osíris e Thot não são lendas, existiram mesmo. Os hieróglifos falam de como Osiris e o seu conselheiro Thot, o sábio a quem Osiris se dirigia em caso de dúvida, construiram um porto para barcos.

      Mas lá do serem iluminattis...

      Eliminar
    13. "Exactamente, eu não tenho nenhum problema em afirmar que o europeu brasileiro é racialmente mais próximo dos seus antepassados europeus do que o europeu desenraizado americano"

      Em que sentido ? Como Brasileiro posso te garantir que os Eurodescendentes -que sao uma infima minoria ,beirando aos 5%- sao extremamente opostos ,no que se toca ao comportamento e costumes ,ao nativo do velho continente. De modo geral ,é um povo com a mentalidade mestiçada ,extramamente consumista e que nao ligam um pingo ao sangue ( No brasil,mais raro que a raça branca só mesmo um casal desta mesma raça).

      não se vê aqui ,como se vê nos EUA , aquele coletivismo racial que visa defender interesses comuns .não se vê isto na politica ,nos esportes e definitivamente nao se vê isso nos momentos de tragédia .Somos um povo extremamente individualista que sente ogeriza em relaçao a qualquer sentimento racial .

      Eliminar
    14. toth era ariano , como sabes ? é que nem mesmo um há desenhos ou esculturas do mesmo em formas humanas .



      Mas de fato ,Muitos egipcios eram arianos:

      https://mathildasdiary.files.wordpress.com/2008/06/blondegy21.jpg

      https://mathildasdiary.files.wordpress.com/2008/06/blond-egyptians.jpg

      http://marchofthetitans.com/wp-content/uploads/2013/08/attend.jpg

      http://thumbs2.modthesims2.com/img/3/3/9/2/6/4/1/MTS_ivan17-1115371-egypt.jpg

      http://marchofthetitans.com/wp-content/uploads/2013/08/redhair-egyptians.jpg

      para mais informaçoes sobre povos de fenotipo nordico com tedencia ao brozeamento pesquise sobre os alanos e samartas

      Eliminar
    15. Obrigado pelas informações. Os Alanos são arianos persas, estiveram aqui conjuntamente com os Visigodos, antes das invasões árabes.

      Porque desejas conhecer e saber quem era Thot ?

      Porque desejas saber por aquele que conhecia as ciências ?

      Porque perguntas por aquele que conhecia a "escritura divina" ?

      Porque razão tens curiosidade naquele cujas palavras eram "mágicas" ?

      Porque anseias descobrir por aquele que era "o secretário dos deuses" ?

      Porque buscas a saber daquele cuja face "era branca como a lua" ?

      Porque buscas pelo "Velho da Lua" ?

      Eliminar
    16. Quando responderes a estas 7 perguntas, eu dizer-te-ei quem era Thot, dizer-te-ei as suas magnificas construções, dizer-te-ei como os seus irmãos "vindos do mar, de cabelos loiros e olhos azuis" foram à América e ensinaram a ciência aos nativos... dizer-te-ei quem construiu as pirâmides e a razão delas terem sido construidas.

      Dizer-te-ei quem construiu os templos dos Aztecas, Mayas, Incas...

      Eliminar
    17. «Em que sentido ? Como Brasileiro posso te garantir que os Eurodescendentes -que sao uma infima minoria ,beirando aos 5%- »

      E claro, tu és daqueles que fazes parte dos 5%... os outros já não, desgraçados, fazem parte dos restantes 95%...

      «( No brasil,mais raro que a raça branca só mesmo um casal desta mesma raça).»

      Não poderia deixar de ser, já vi que és um desses raros casais... os outros estão todos mestiçados...

      «não se vê aqui ,como se vê nos EUA , aquele coletivismo racial que visa defender interesses comuns»

      Quem te ouve falar até parece que existe muito disso nos USA...

      Eliminar
  13. "Mas no nosso caso é muito compreensível, nós não tínhamos população, já lá nos princípios de 1600, se punha o problema da falta de população, tanto que se punha a hipótese de contratar os serviços dos italianos para levarem a cabo acções de segurança e vigilância tanto na Índia como no Brasil. Nós sempre tivemos um Império que passava largamente os nossos meios e as nossas capacidades. Um milagre foi ter garantido durante tantos anos estes Império à vista do minúsculo povo que éramos e somos, sobretudo em relação aos outros com populações 20 vezes a mais que nós. Isto é que é um milagre! E é aqui que se vê o que é um português."

    Ainda bem que falas nisso, sempre ouvi dizer isso tanto nos média como na escola. Que portugal não tinha população suficiente para colonizar o Brasil.

    Depois de pesquisar sobre o assunto ao longo dos anos, conclui que isso é mais um mito promovido pelos minho-timoristas. Entre vários exemplos, tens o Quebeque, essa província do Canadá tem cerca de 6 milhões de pessoas de origem Francesa, mas o curioso é que se analisares as deslocações de populações de Franceses para aquela província, foram insignificantes. Os cerca de 6 milhões são descendentes de um núcleo de cerca de 2500 pessoas que povoaram aquela área no século XVII, a população até ao século XX duplicava de 30 em 30 anos porque as familias eram tradicionais, prosperas e é um claro exemplo de sucesso de povoamento.

    No caso inglês, como podes analisar nas estatisticas, pouco mais de 200,000 colonos geraram uma população de 2,1 milhões em pouco mais de 1 século.

    No caso Português, o que aconteceu é que saíram milhares de homens para a rota da índia e julgo que 4/5 morriam no processo, é um facto que num país de 1,2 milhões em 1500, a saída de milhares de soldados e marinheiros foi uma calamidade demográfica. Nem se sabe ao certo quantos saíram, quantos morreram, mas pelo que já pesquisei foi uma grande sangria. Provavelmente mais de 1/3 da população masculina foi erradicada nesse período. Naufrágios, guerras religiosas inúteis, doenças etc erradicaram milhares dos nossos melhores. Depois tens também o catolicismo que impedia que os mais eruditos da sociedade deixassem descendência.. muita gente não fala deste desastre demográfico que foi o facto do clero não deixar descendência, isso retirava do povo os melhores genes.

    Depois tens o Brasil, entre 1500 e 1822, perto de 1 milhão de colonos, a esmagadora maioria homens, que chegavam ao brasil e não tinham população feminina suficiente para gerar família. A consequência foi que cresciam os mestiços e muitos nem deixavam descendência.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não penso que o problema se punha como uma tentativa de desculpa esfarrapada. Para já Portugal fazia e teve de fazer face a inimigos por toda a parte, os gananciosos ingleses, holandeses, franceses e as eternais disputas com os espanhóis. Isto era muita fruta para um povo tão pequeno em número como nós, e mesmo assim conseguíamos dar conta desta gente toda que nada mais pensava que delapidar-nos.

      Na rota das índias, os holandeses fartavam-se de nos roubar e afundar navios. Depois tínhamos de dar conta ainda do Brasil, em que mais uma vez os holandeses lá foram meter o bedelho. Isto chegou a um certo ponto, em que o que recebíamos das mercadorias da Índia, já não chegava para pagar a manutenção dos soldados nem para enviar mais para lá. E por essa mesma razão, não se chegou a contratar os italianos para ajudarem a defenderem a Índia.

      E para além disto, tens os judeus, que para agravar a situação, na Índia até mortos tinham nas listas de pagamento e eram eles que financiavam os holandeses. Estavam a mamar de um lado e a mamar do lado contrário. Depois entrou a Inglaterra na dança, também financiada pelos judeus. E não devemos esquecer, sobretudo isto, que os ingleses não se faziam rogados na escravatura, não eram como nós. Esse facto permitiu-os desenvolverem-se mais rápido, pois tinham uma força trabalhadora que nós não tínhamos. Nós tínhamos escravos, mas bem longe da quantidade que os ingleses possuíam.

      Nós nunca escravizamos um espanhol, um inglês, um francês, e nisto os ingleses não olhavam a meios, trataram logo de escravizar os irlandeses.

      Nós tínhamos no Brasil, os Jesuítas que não deixavam que se tratasse indignamente os escravos. Os ingleses nunca tiveram esta barreira moral. Isto tudo no seu conjunto conta. Tomara, pois esses 200 mil beneficiaram de uma força escraveira que lhes permitiu desenvolverem-se tranquilamente sem mexerem uma palha. Já o português, tinha de dar ao cabedal.

      Eliminar
    2. "Entre vários exemplos, tens o Quebeque, essa província do Canadá tem cerca de 6 milhões de pessoas de origem Francesa, mas o curioso é que se analisares as deslocações de populações de Franceses para aquela província, foram insignificantes. Os cerca de 6 milhões são descendentes de um núcleo de cerca de 2500 pessoas "

      Não só de franceses . A presença amerindia é imensa no Dna Quebequense .estudos recentes indicam que de 20 a 40% dos quebenses tem consideravel herança indigena .
      E tu nem precisa de analises genéticas : é só tu comparar
      as faces do francês médio com a do Quebequense médio que está tudo dito.

      Eliminar

  14. Portugal tinha em 1600 2,1 milhões de habitantes, a Inglaterra cerca de 4 milhões, ajustando à dimensão de cada país em proporção da área, nós tínhamos cerca de 3/4 da densidade demográfica da Inglaterra, não creio que tenha sido a falta de gente o problema. O problema foi que usaram o nosso povo para carne para canhão...

    desde empreitadas descabidas no oriente, guerras absurdas em África, saída de milhões de pessoas para o Brasil.
    Já nos lusíadas falava o velho do Restelo, que os descobrimentos iria servir para esvaziar o reino de gente e deixar as mulheres viuvas.

    Este desrespeito pelo povo Português ao longo na nossa história foi um acto permanente, mas chegamos a um ponto sem retorno no século XX. Se antes, as gentes que saiam eram subsistidas pela alta natalidade e o pais não recebia imigrantes, na actualidade, os que saem não são subsituidos e para cumulo, entram milhares de estrangeiros.

    Isto é o fim definitivo do povo Português, a não ser que haja uma mudança radical e total da ordem dos acontecimentos, o Povo Portugues tem décadas no máximo.

    isto para dizer que tínhamos população suficiente para Povoar o Brazil, por diversas razões isso não aconteceu, mas julgo que a questão demográfica não foi o motivo principal. os quase 1 milhão que saíram do período colonial davam para gerar muitos milhões de Brancos.

    porventura, será mais porque era uma zona inóspita, de clima duro para os Europeus e sobretudo porque não existiu uma saída ordenada de famílias por motivos religiosos como no EUA. Na america do Norte, na zona de New England, o clima e até relevo era muito idêntico à Inglaterra e tudo...

    Enfim, podíamos enumerar muitos motivos, políticos, económicos, sociais etc, mas eu creio que a justificação de falta de gente sempre foi a meu ver uma espécie de desculpa esfarrapada.

    E um caso em que fizemos mesmo borrada foi na tentativa de colonização de Angola, aquilo não é mesmo clima para Europeus, perdemos muitas crianças brancas no século XIX a tentar colonizar aquela merda, alta mortalidade infantil por doenças infecciosas e clima. Foi mesmo um desastre.

    ResponderEliminar
  15. uma coisa interessante que achei aqui foi falar-se do sexo e a cidade,

    realmente aquilo é mesmo muito baixo, mesmo para os padrões dos judeus..

    meterem aquela jessika parker com cara de cavalo e tentar manter uma "coerência" numa historia de sluts desafia a lógica.

    Essa serie sempre teve pouca audiência e o filme foi um desastre total, é interessante perceber que mesmo assim, a judiaria procurou manter aquela merda em emissão,

    A ideia era clara, procuraram promover nas mulheres Brancas uma espécie de nova atitude cosmopolita, uma mulher independente, promiscua e "livre" de crianças e maridos..

    Manter uma serie com prejuízo, só pode ter motivações politicas,

    ResponderEliminar
  16. "America was founded by slave owners who wanted to be free. So they killed a lot of white English people in order to continue owning their black African people, so they could wipe out the rest of the red Indian people and move West and steal the rest of the land from the brown Mexican people giving them a place to take off and drop their nuclear weapons on the yellow Japanese people."
    - George Carlin

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pois...
      os "pró-América" até o genocídio dos índios são capazes de justificar e dizer que isso foi uma invenção dos judeus ou que os índios primeiro fizeram isto ou aquilo.
      como se alguma coisa justificasse genocídio, seja lá o que for.
      é como os fanáticos que defendem israel, que dizem que israel só se "defende" quando genocida palestinianos, etc

      e quanto a ser "invenção" dos judeus, como pode ser "invenção", se os próprios judeus também estiveram metidos no genocídio dos índios??

      pessoal que justifica genocídios ou que justifica bombas atómicas, só porque quem as lançou foram "Arianos" (mas quem ordenou e quem fez o plano Manhattan foram essencialmente judeus), é pessoal cego, doente, febril e que acha que os crimes só são crimes, quando não são brancos a cometê-los.
      queixam-se de dualidade e censura dos média relativamente a crimes não-brancos, mas tentam justificar crimes quando são dos brancos.
      como se o crime tivesse côr ou raça.

      os pais fundadores tinham sim escravos. escravos negros e não só.
      não eram santos nenhuns, como dizem esses que os idolatram a eles e à América.

      a América fez centenas, senão milhares de testes nucleares no seu próprio território, principalmente na Califórnia e Arizona...muitos desses testes causavam radiações e afectavam os próprios soldados americanos e não só.

      a Amérdica é isso mesmo. nem para os seus é boa. quanto mais para japoneses, índios, mexicanos, etc
      se até outros brancos mataram, quanto mais os outros.

      Eliminar
    2. «e quanto a ser "invenção" dos judeus, como pode ser "invenção", se os próprios judeus também estiveram metidos no genocídio dos índios??»

      Isso é verdade, está lá no livro do Farrakan, no volume 1, eu já o li. Os judeus têm uma pesada responsabilidade no genocídio das tribos índias.

      Não tenho a certeza do que digo, porque não conheço a história de todos os países colonizadores, mas parece-me que só Portugal teve a moral de não praticar genocídios, tanto na África, Indías assim como no Brasil.

      Eliminar
    3. "America was founded by slave owners who wanted to be free. So they killed a lot of white English people in order to continue owning their black African people, so they could wipe out the rest of the red Indian people and move West and steal the rest of the land from the brown Mexican people giving them a place to take off and drop their nuclear weapons on the yellow Japanese people."
      - George Carlin""""


      _E disse o Judeu George Carlin .

      O Carlin só esqueceu de frisar que não havia escravidao na america antes dos judeus com ela começarem . E que não mais de 2% da populacao americana possuia escravos ,dado que essa porcentagem subia para 75% entre os judeus.

      Quanto o tal "genocidio " ,esse nao passa de mais uma mentira promovida pela judiaria.

      http://en.metapedia.org/wiki/Smallpox_blankets_hoax



      destruindo o mito do genocidio indigena

      https://www.stormfront.org/forum/t585134/

      http://historynewsnetwork.org/article/7302

      Eliminar

É aconselhável o comentário tratar do assunto exposto no artigo, caso contrário, arrisca-se a não ser aprovado pelo Tribunal da Inquisição.