Aba_horizontal

sábado, 28 de novembro de 2015

O plano diabólico do "Grande Israel", escorrega na Síria

"Quanto mais o Médio-Oriente é levado pela destruição e horrores sectários, mais fácil fica falar de um dos grandes tabus da história contemporânea: o famoso "Plano Yinon" para construir o "Grande Israel" com golpes de guerras, de genocídios e conspirações.

Cada vez mais cidadãos de origem judaica denunciam as injustiças cometidas pelo Estado de Israel. E, se a um momento Norman Finkelstein era uma ovelha negra, agora é considerado como um excelente companheiro ...

Nós podemos esperar que este processo de consciência continue, para compreender e pôr um termo a esta grande aldrabice do governo de Israel ..."
(Martina Smercan)

Quando alguém se recusa a denunciar o mal, corremos o risco de sermos desmascarados por alguém que pretenda agir. Esse esquema ocorreu na América, com a entrada da Rússia na luta contra o ISIS na Síria. Os objectivos estratégicos na Síria não são revelados pelos médias. Pois nunca foi questão de salvar o povo sírio dos horrores da ditadura de Assad, mas facilitar a hegemonia regional de Israel.

Como fazemos para o saber ? É simples. Durante as últimas décadas, importantes protagonistas das elites responsáveis pela política israélo-americana exprimiram esse desejo de maneira espantosa através de documentos e declarações públicas.

A chave, é compreender o que a nossa formação cultural não nos preparou para entender. Em 1982, o partido Likoud (isto é, a incarnação institucional do sionismo, inicialmente articulado por Jabotinsky) fala no "the Iron Wall" de utilizar contra os árabes uma força implacável e conduzir à sua fragmentação cultural. Um funcionário chamado Oded Yinon, que tinha trabalhado com o Ministro dos Negócios Estrangeiros israelita, publica um artigo no qual ele traça a abordagem estratégica que o país deveria ter nos próximos anos.

Veja-se alguns trechos extraídos da versão inglesa do dito "Plano Yinon", traduzido pelo Prof. Israel Shahak (1933-2001):
A dissolução do Líbano em cinco províncias serve como precedente para todo o mundo árabe, incluindo o Egipto, a Síria, o Iraque e a península arábica. O processo já começou. (...)

A dissolução da Síria e do Iraque em áreas separadas por etnia ou religião, como no caso do Líbano, é o primeiro objetivo de Israel na frente oriental. A dissolução do poder militar desses Estados é o objetivo a curto prazo. A Síria vai cair aos pedaços, de acordo com a sua estrutura étnica e religiosa, dividida em diferentes Estados, como acontece hoje no Líbano.

O Iraque, rico em petróleo e dividido internamente, é o principal candidato para se tornar o berço dos interesses de Israel. A sua dissolução é ainda mais importante para nós do que a Síria.

Durante um breve período, o poder iraquiano constitui a maior ameaça para Israel. Uma guerra entre o Iraque e o Irão vai reduzir em pedaços o Iraque e provocará uma longa frente de luta contra nós. Cada tipo de conflito entre árabes é nos vantajoso.

No Iraque, é possível realizar uma divisão em províncias sobre uma linha étnico-religiosa, como na Síria, durante o período Otomano. Assim, pelo menos três Estados existirão em torno das três principais cidades: Bassóra, Bagdad e Mossoul. A zona xiita no sul será separada pela dos sunitas e curdos ao norte. (...)

Se o Egipto desmorona, países como a Líbia, o Sudão ou os Estados deixarão de existir na sua forma actual e unir-se-ão á ruína e dissolução do Egipto. (...)

A Jordânia não pode continuar a existir na sua estrutura actual ainda por muito tempo. A política de Israel, tanto em tempo de guerra como de paz, deve ser orientada para a destruição da Jordânia."

A visão de Yinon aparece no famoso relatório Clean Break, de 1996, assinado por um consórcio de pensadores americanos e israelitas, dos quais Richard Perle, Douglas Feith, David e Meyrav Wurmser, que se reuniram com o objectivo de fornecer um guia para a política externa do primeiro mandato do primeiro-ministro Benjamin Netanyahou. É mencionado: "Israel pode dar forma ao seu território estratégico, em "cooperação" com a Turquia e a Jordânia. Este esforço pode-se concentrar no Iraque removendo Saddam Hussein do poder. Ele representa um importante objectivo estratégico para Israel, e anular as ambições regionais da Síria. (...) Logicamente, é de um interesse primordial que Israel apoie ao nível diplomático, militar e operacional as acções da Turquia e da Jordânia contra a Síria, por exemplo, aliando-se com as tribos árabes presentes na Síria e hostis á elite dominante."

Como demonstrado recentemente por Dan Sanchez, David Wurmser que entrou ainda nos detalhes sobre a intenção de balkanisar o vizinho do norte de Israel. Em artigos publicados no mesmo período, este especialista em política externa discute abertamente sobre o meio mais curto para "provocar a curto prazo um colapso caótico" da Síria baathista.

Em seguida, é a entrevista acordada ao general Wesley Clark, em 2007, na qual são revelados os verdadeiros objectivos estratégicos dos personagens da política externa americana na sequência dos ataques do 11 de Setembro. O ex-Comandante supremo da NATO relata uma conversa que ele teve com um oficial do Pentágono, e na qual ele tinha aprendido que o verdadeiro plano era atacar e destruir os governos de seis países, em cinco anos. Segundo o general Clark, esses países eram o Iraque, a Síria, o Líbano, a Somália, o Sudão e finalmente o Irão.

No mesmo discurso, o general reconduz explicitamente a criação do plano de Richard Perle, conselheiro político, e sublinha a importância absoluta de colocar Israel em condições de "dar forma ao seu território estratégico."

Em 5 de Setembro de 2013, nas páginas do New York Times, Alan Pinkas, o ex-conselheiro geral israelita em Nova York e membro da conservadora elite política de Tel Aviv, descreveu nestes termos o conflito sírio: "É uma situação de desequilibrio em que é necessário que ambos os lados [o governo de Assad e os rebeldes] percam: nós não queremos que haja um vencedor. (...) Nós deixaremos os dois se sangrarem e morrerem de hemorragia: é a nossa abordagem estratégica: enquanto o conflito se prolongará pela Síria, ele não produzirá nenhuma verdadeira ameaça para Israel."

É impossível ser mais claro. O plano israelo-americano na Síria nunca foi para ajudar os cidadãos deste país, mas para garantir o desmembramento eficaz da Síria, para continuar os "objectivos estratégicos", concebidos pelo Estado hebraico.

Em 9 de Outubro de 2015, Tomas Alcoverro, correspondente no Médio-Oriente para o jornal La Vanguardia de Barcelona, escreveu assim a propósito dos ataques lançados pelo governo da Rússia e da Síria no principio de Outubro de 2015: "Se esta ofensiva conjunta tiver sucesso, o plano dos americano de fomentar a guerra por fricção para levar á exaustão ambas as facções, vai partir em fumaça."

Mas os americanos e israelitas tiveram os seus planos frustrados pelo Presidente russo Putin, que os desmascarou.

Fonte: lelibrepenseur.org Autor: Laurent Glauzy

Links complementares: http://desatracado.blogspot.pt

29 comentários:

  1. Ja conhecia estes documentos . Infelizmente tal conhecimento fica restrito a movimentos marginalizados e desorganizados.

    Quanto a putin, estásprofundamente enganado em relaçao a ele.


    Ele coopera militarmente com Israel:http://rt.com/news/israel-barak-militar serdyukov/


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. VLADIMIR PUTIN EXPRESSES SUPPORT FOR ISRAEL:
      "Support for Operation Protective Edge, Israel’s military effort to stop Hamas’ incessant rocket attacks against Israel’s civilians, is coming directly from the Kremlin.
      “I am closely tracking what is happening in Israel,” Russian President Vladimir Putin remarked in a meeting on Wednesday with a delegation of Chief Rabbis and representatives of the Rabbinical Center of Europe.
      The purpose of the meeting, according to the Kremlin, was to discuss joint efforts to prevent the rewriting of history, the fight against neo-Nazism and neo-fascism, xenophobia and anti-Semitism.
      “It is important to discuss the subject of the Holocaust of the World War II era. There are Holocaust survivors among the rabbis, they have their personal, dramatic stories,” Rabbi Alexander Boroda, President of the Federation of Jewish Communities of Russia, told Interfax-Religion."
      http://collive.com/show_news.rtx?id=31099&alias=president-putin-i-support-israel

      50% dos habitantes demoscow sao estrangeiros .
      Moscow - Europe's Muslim/non-white Capital
      https://www.youtube.com/watch?v=Aihmte1DWvA

      _Russia has World’s 2nd largest number of Immigrants – UN Study
      https://www.stormfront.org/forum/t993813/
      _ Ideology of Novorossiya: internationalism and anti-fascism
      https://www.stormfront.org/forum/t1054161/
      _ Russia: 8 millions drug users, world’s top heroin consumer. Krokodil epidemic.
      ”More than 70,000 people die each year in Russia from drug abuse, about 30,000 of them from heroin, according to the FSKN. Millions more suffer from dependency, with an estimated 8.5 million drug addicts in 2013, according to an FSKN report. ”
      https://www.stormfront.org/forum/t1052179/
      _Russia: the hunt for thought crimes in file-sharing networks & other news of police-state mayhem
      https://www.stormfront.org/forum/t1051291/
      _ Russia’s chief rabbi thanks Putin for support to Jews
      https://www.stormfront.org/forum/t1053178/
      _ Russia: patriotic publisher Viktor Korchagin goes on trial for a book about Jews
      https://www.stormfront.org/forum/t1045245/
      _ Jews want more sinagogues in Crimea
      https://www.stormfront.org/forum/t1043351/
      _ Russia spends millions for mini football among migrants to increase tolerance
      https://www.stormfront.org/forum/t1049321/
      _Total ban of white symbols in Russia
      https://www.stormfront.org/forum/t925663/

      Eliminar
    2. Dessa vez terei que concordar com o Direita.

      Putin está aí para trabalhar a questão Síria por um outro viés, mas ele é agente do sionismo tanto quanto a Arábia Saudita.

      As forças independentes da região eram Iraque, Iran, Líbano Egito e Síria. O nacionalismo árabe de Nasser era a maior ameaça ao Greater Israel por isso o sionismo manobrou para dividir o oriente em Xiitas contra Sunitas e impedir a existência de Estados Nacionais fortes anti-judeus, o Thierry Meissan já escreveu muito sobre isso.

      Com o surgimento e fortalecimento do wahabismo sunita ocorreu o desejado isolamento das resistência xiita e a partição ideológica do Iraque e Síria. O futuro desses países é a balcanização em estados étnicos, e é para fazer isso é que os EUA invadiram o Iraque e criaram o ISIS.

      Onde estava a Rússia durante a primavera árabe ? Durante a invasão da Líbia ? A Rússia não tinha armas atômicas nem os S-400 nessa época ? Deixemos de ingenuidade que isso cansa.

      A Rússia apenas entrou na cena quando o Iran e o Hezbollah começavam a refutar a invasão Síria, e com isso o Iran ganhava tempo para criar armas nucleares, e evitar isso era objetivo maior de Israel.

      Enfim a pressão internacional contra o Iran foi mais forte no sentido de fazer o acordo nuclear no que a Rússia foi favorável, o falso amigo que te desarma, como fez com as armas químicas Sírias.

      Se a Rússia fosse um aliado de verdade teria entregado os S-300 em 2007 quando assinaram o contrato com o Iran, antes do acordo nuclear, então o Iran poderia criar seu arsenal atômico e ser independente. Até hoje não entregou nada.

      Eliminar
    3. há uma diferença entre ser contra o Putin por motivos válidos como eu ou tu, e entre ser contra o Putin apenas porque se é "pró-americano". (e por arrastamento, sionista. conscientemente ou não)

      Eliminar
    4. Caríssimos camaradas

      Aprende-se muito convosco, no entanto permitam-me discordar do Santon e do Thor quanto a Putin ser um agente sionista. Eu acho que ele, Putin, ao contrário de vós, que escrevem umas coisas ou de outros como eu que apenas as lêm, ele tem de se confrontar com a realidade. Num país como a Rússia, cheio de gente "de nariz comprido" influente e poderosa, ele vai levando as coisas dele avante e senão como se poderia explicar:
      - A promoção da família tradicional, por oposição aos lgbt;
      - O combate a movimentos similares às Femme;
      - A moderação imposta nos anúncios de TV para não promoverem valores consumistas;
      _ E por fim não vejo como a sua intervenção na Síria seja apenas a disputa entre duas facçoes de "gente de nariz comprido" e possa estar a ajudar a prosseguir os fins sionistas. Porque se ele é um agente sionista deverá promover os interesses sionistas e embora seja uma das tácticas deles, jogar em ambos os lados, continuo sem ver como é que a intervenção na Síria os ajuda.
      PS: Concordo plenamente na análise que Santon faz da China e do NS, quanto à posição sobre Putin, acho que estou mais perto do autor deste blog.
      Saudações cordiais

      Eliminar
    5. « E por fim não vejo como a sua intervenção na Síria seja apenas a disputa entre duas facçoes de "gente de nariz comprido" e possa estar a ajudar a prosseguir os fins sionistas. Porque se ele é um agente sionista deverá promover os interesses sionistas e embora seja uma das tácticas deles, jogar em ambos os lados, continuo sem ver como é que a intervenção na Síria os ajuda. »

      Claro, bem visto. Defendo essa posição, é que por mais que busque e rebusque, não vejo como Putin possa estar a ajudar os planos talmudistas com a intervenção na Síria. Parece-me é o contrário, que ele esbarra esses planos.

      Eliminar
    6. « Quanto a putin, estásprofundamente enganado em relaçao a ele. »

      Tanto cooperou que apesar do acordo entre Putin e Nethanyaou para a Rússia não dispor de mísseis S-400 na Síria...eles já lá estão! E misteriosamente os ataques da coligação americana pararam no território sírio... mas continuam no Iraque.

      Todos esses links que puseste, a maioria não passam de simples especulações e aldrabices. Sobretudo essa de que em Moscovo tem 50 de população estrangeira. Essa então é flagrante. É que se já começa com uma tamanha aldrabice dessas, eu nem vou ver o resto. Existem relatórios oficiais que descrevem as cidades com o maior número de população estrangeira, que é uma coisa que os mundialistas adoram.

      Imparcialidade meus amigos. Imparcialidade é muito lindo. Todas essas fotos de Putin com os judeus tendem apenas a mostrar um ponto de vista sobre Putin, eu posso-vos meter também centenas de fotos em que Putin vai á Igreja Ortodoxa e beija a Bíblia. Eu não me deixo cair na armadilha das fotografias. Gosto muito de examinar tudo com um ar céptico, muito céptico mesmo. Vejo um ponto de vista e vejo o ponto de vista oposto; no entanto não é pelo que diz Putin que eu vou julgá-lo, mesmo se fosse por aí teria muitos argumentos a seu favor, mas sim pelo que faz. Alguém diz : « faz o que digo, não faças o que eu faço », parece que Putin diz o contrário: « faz o que eu faço, não faças o que eu digo ».

      Eliminar
    7. Nada que postei foi inventado , está tudo " documentado" com fotos , videos e em passagens de textos das leis e politicas implementadas por Putin.

      A maioria dos links te encaminharam para o forum Russo do site nacionalista Stormfront .Nao há ninguem melhor de que eles pra falar a respeito de Putin .

      Eliminar
    8. Eu sei, mas agora sobre este aqui por exemplo :

      http://sputniknews.com/russia/20130912/183384782/Russia-Has-Second-Largest-Number-of-Immigrants--UN-Study.html

      Pois, mas são imigrantes como ? Afro-árabes ou caucasianos na sua maioria ? Só recentemente 2 milhões de ucranianos foram para a Rússia... os russo não devem estar a ver bem o que é imigração a sério. Assim com uns milhões de africanos e árabes... e ainda se queixam por caucasianos imigrarem para lá ? E nós então que estamos ainda 1000 vezes pior ?

      Agora este :

      https://www.stormfront.org/forum/t1054161/

      Pois, como não haveriam de ser anti-fascistas com ditos nacionalistas ucranianos do Pravy Sektor e Svoboda comandados e financiados pelos judeus ?

      Só examinei esses dois, mas se continuar de certeza absoluta que a maioria dos links contam só um lado da história e escondem o outro que não lhes agrada.

      Eliminar
  2. Interessante lembrar os Protoclos dos Sábios de Sião e algumas colocações maçônicas do século 19, recomendo a pesquisa.

    Como eles previram 2 guerras mundiais e a criação do ultra liberalismo cultural, a ONU e Israel em pleno século 19 ?

    Fácil. Eles manipularam os fatos para que suas profecias e planos se concretizassem.

    Como criar a 3ª e definitiva guerra ? Precisa-se de dois poderes adversários. As democracias ocidentais e seus valores degradados em oposição com a pseudo busca por valores tradicionais de Putin.
    Isto é uma preparação para que o povo russo sirva de bucha de canhão para fazer a guerra, levado ao precipício e matadouro por seu falso messias.

    A atuação internacional de Putin é tão abjeta e irracional que só poderia se manter por meio de populismo e manipulação emocional, é justamente isso que ele faz usando a religião.
    Putin e a inteligência russa devem saber muito bem que a fonte do globalismo que eles dizem combater, se dá em Israel, tudo converge para os trilionários ( ou fabricantes de dinheiro) judeus.

    Então porque Putin justamente é mantido no poder por oligarcas judeus, e porque se diz um defensor intransigente de Israel ?
    Isto não bate. Não faz o menor sentido.

    Se Putin fosse um defensor das causas religiosas e tradicionais ele deveria fazer frente a Israel da mesma maneira como Hugo Chavez, Nasrallah, Saddam, Khomeini, Kaddafi... uma longa lista de assassinados.

    Putin está vivo, para algo ele está aí.

    Cada um tire suas conclusões.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os Protocolos dos sábios de Sião, actualizados para o nosso tempo, interessante verificar com atenção o 5º ponto...é sem falhas aí...

      http://gangdaervilha.blogspot.pt/2015/02/projecto-aurora-vermelha-de-serge-monast.html

      Eliminar
  3. « Então porque Putin justamente é mantido no poder por oligarcas judeus, e porque se diz um defensor intransigente de Israel ? »

    Antes de Putin dominavam a economia toda da Rússia...agora apenas dominam menos de 1/3 da economia russa. Já é um grande esforço em relação ao passado. E nacionalizou todas as empresas estratégicas, vitais para a Rússia.

    Se Putin é mantido no poder graças aos oligarcas judeus, isso significa que toda a população russa são judeus. Os oligarcas que apoiem um outro candidato a governar a Rússia ? Não teriam a mínima hipótese, o povo estaria ao lado de Putin e ele bateria seja quem fosse que se atreva a confrontá-lo para o poder. Não vale a pena viram com os votos falsos, pois qual é o governo ao mundo que não utiliza votos falsos ? Isso serve apenas para ganhar uma pouca percentagem dos votos, não faz grande diferença no somatório total.

    «Hugo Chavez, Nasrallah, Saddam, Khomeini, Kaddafi»

    Todos estes admiravam Putin...ao fim e ao cabo todos foram enganados ou estão sendo enganados. É incrível! Homens como Nasrallah são assim tão estúpidos ao ponto de cair na ratoeira ? Se assim for, eu também caio na ratoeira assim como muitos milhões de outros. Vamos a ver aqueles que não caíram na ratoeira o que serão capazes de fazer para mudar o que se passa.

    O Putin, que não é nenhum "Messias", aliás não sei de onde vem isso porque Messias só existe um, o Cristo. Haverá um falso, mas cá estaremos para o desmascarar. Mas esse falso far-se-á passar pelo Cristo, o que não é o caso do Putin.

    Putin longe de ser um homem perfeito, vai manobrando aqui e ali como pode. Sim é um defensor de Israel, é realmente estranho, mas o facto de defender Israel será que mete os interesses de Israel acima dos da Rússia ? Parece-me que não, ao contrário da maioria dos países europeus. E aliás, quem dera os israelitas terem a tecnologia militar da Rússia, se bem que eles também a tenham as suas tecnologias e dispõem de toda a tecnologia dos americanos e europeia.

    A minha interpretação do que se passa, é que a Rússia foi defender os seus interesses. O interesse primordial da Rússia é a estabilidade. E vejamos, a Rússia foi lá a pedido de Assad. Não fora ele a fazer o pedido, não sei o que seria hoje da Síria e de toda a população de Damasco e limítrofe.

    De um ponto de vista religioso, interpreto como sendo obra da mão de Deus, para retardar a vinda do anti-cristo. Talvez me engane. Mas seguramente sabemos pelos próprios escritos dos talmudistas, que a chegada do messias talmúdico e seus planos, está atrasada.

    Sobre os planos de Sião, na sua linha geral, vai andando como eles querem, isso é claro. Mas não sem sofrerem rudes golpes e terem de reactualizar os seus planos conforme forças adversas vão surgindo lá onde eles menos esperam.

    E devido a este impasse no Médio-Oriente, este entrave aos planos do "grande israel", estamos se calhar no auge de uma 3ª guerra mundial e uma revisão de toda a estratégia geopolítica de Israel e seus lacaios. Porque sinceramente, vejo muito mal como Israel conseguirá travar a ofensiva do exército sírio, que a cada dia ganha o terreno que havia perdido tempos antes. E isto graças á intervenção russa. Como diz o artigo : « o grande israel parte em fumaça! »

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não adianta prolongar esse assunto, nem andar a discutir isto em todos os tópicos.
      os nacionalistas que quiserem defender o Putin, tudo bem. não é por isso que são menos que os outros.
      eu considero um erro de visão estratégica crasso, mas não duvido nem ponho em causa a seriedade de quem o faz.

      agora, não deixa de ser curioso que os nacionalistas que defendem o Putin são quase todos cristãos, enquanto os que não defendem, geralmente não são cristãos.
      não deixa de ser engraçada essa "coincidência".

      Eliminar
  4. « agora, não deixa de ser curioso que os nacionalistas que defendem o Putin são quase todos cristãos, enquanto os que não defendem, geralmente não são cristãos.
    não deixa de ser engraçada essa "coincidência". »

    Isso no geral é bem verdade. Cristãos e muçulmanos xiitas na sua grande maioria. Não faço ideia qual é a posição dos cristãos-sionistas em relação a ele, mas sei que os muçulmanos sunitas o detestam como o diabo. Talvez seja por os grupos terroristas serem sunitas, ou pelo menos estarem etiquetados de "sunitas".

    ResponderEliminar
  5. Oi! Eu sou de opinião que esses Judeus não são a descendência semita de jacó. Se dizem Askenazis. Askenaz era neto de Jafé. Olhem a benção que Noé dá a Jafé lá em Gn 9:27 - "Que Deus amplie o território de Jafé; habite ele nas tendas de Sem, e seja Canaã seu escravo!”. Quando ví esse mapa explicativo em cima, me lembrei dessa professia pois Esses falsos Hebreus são partes de Jafé.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei o que dizer. Existe um livro do Shlomo Sand que fala sobre isso mas eu não o tenho. Mas parece que historicamente, algures lá para o norte da Europa existiu um Reino que se converteu ao judaísmo. Minha opinião, é que os verdadeiros semitas judeus são os sefarditas e esses askenazes são uma mistura de europeus com judeus. Pois muitos judeus foram para esse tal Reino e misturaram-se com a população em uma grande escala.

      Eliminar
    2. Sim a Khazaria. Onde é mais ou menos o local da Georgia. Os Sefarditas, 10% desses judeus no mundo, são semitas porém de descendência de Esaú, irmão de Jacó. Esaú por vender a sua primogenitura por um prato de lentilhas, vermelhas escuras, foi apelidado de Edom. A sua união com os Askenazis é prevista nas Escrituras Sagradas.

      Eliminar
    3. esse mito de 90% dos judeus serem khazares é isso mesmo: um mito.

      há pessoal a desmentir essa teoria.

      essa teoria nasceu com 3 judeus, e ainda por cima eram todos eles, judeus marxistas.
      refiro-me obviamente a Arthur Koestler, que escreveu o livro "a 13ª tribo", Eran Elhaik e claro, Shlomo Sand.
      os três judeus, e os três marxistas.

      http://davidduke.com/wp-content/uploads/2014/04/three-jews.jpg

      antes do livro do Khoestler, nunca ninguém tinha sequer falado nessa teoria khazar, NINGUÉM dizia isso.

      ora, se vocês são anti-sionistas e anti-judeus, porque é que vão logo dar crédito a 3 judeus, ainda por cima marxistas?

      não percebem que isso é uma forma de dizer que os judeus não têm culpa de nada, e sim os "khazares". é uma forma sofisticada de controlo mental. uma forma de "amansar" os goyim, dizer que os judeus não existem como povo, etc, convencer os goyim que não devem odiar o "povo judeu" nem serem "anti-semitas", pois os judeus nem existem, e não se odeia o que não existe.

      primeiro, o Talmud foi escrito antes da pseudo-conversão khazar...

      séculos antes dessa suposta conversão,já os judeus andavam em todo o lado a fazer porcaria, matar, cometer genocídios, roubar, praticar usura (o episódio do cristo o comprova)
      dizer que a culpa é dos khazares que se converteram ao judaísmo é rídiculo.

      os judeus até podem ter misturas com khazares aqui e ali, mas no essencial não são khazares coisa nenhuma, são semitas e depois também têm misturas com Europeus.

      se fossem realmente khazares, não teriam os traços que têem. seriam parecidos com os povos da Àsia central, turco-mongóis, embora parece que os khazares não fossem puramente mongolóides, como provam as estátuas.
      os judeus são semitas e são completamente diferentes dos khazares.

      Eliminar
    4. « essa teoria nasceu com 3 judeus, e ainda por cima eram todos eles, judeus marxistas.
      refiro-me obviamente a Arthur Koestler, que escreveu o livro "a 13ª tribo", Eran Elhaik e claro, Shlomo Sand.
      os três judeus, e os três marxistas. »

      Por acaso, o primeiro a falar disso foi um judeu muito rico, convertido ao cristianismo e que muito fez pela Palestina, Benjamin Freedman.

      Eliminar
    5. Esqueci-me de dizer que o livro de Benjamin Freedman ( Facts are Facts,
      the Truth about the Khazars) sobre os Khazars foi escrito em 1954, o de Koestler só veio 22 anos depois, 1976.

      Eliminar
  6. Quanto a serem da Kazharia podes até teres razão.... No entanto se eles afirmam que são judeus Askhenazis então não são semitas. São Jafetitas. É só ler em Gn 9:27 Askhenaz neto de Jafé. Os sefarditas são semitas originários de Esaú e não de Jacó! Moral? Não é povo da Bíblia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em tempo: considerar a passagem acima Gn 10 e não Gn 9:27

      Eliminar
  7. Mas para mim faz sentido o que Freedman expõe sobre os Judeus da Kazharia porque não acredito que os semitas sejam brancos. Quanto a se fazer de judeus (no caso hebreus) já era denunciado em Apocalipse nas cartas às Igrejas. Outra evidência muito forte está também nas Escrituras Sagradas sobre as maldições de Deuteronômio 28 e Levítico 26. O único povo que se encaixa como tal são os negros semitas que vieram como escravos para as américas e por ironia do destino quem traficava eram os falsos hebreus chamados de judeus. Judeus fabricam a "Istória".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um tema controverso, mas quando vejo judeus de olhos azuis, loiros...aquilo para mim não são semitas, mas sim europeus, portanto tendo a crer na teoria dos khazars que explica bem isso.

      Agora os sefarditas, esses têm bem cara de semitas como os árabes.

      Eliminar
    2. pronto, esqueci-me do Freedman ou nem sabia. pensei que ele só tivesse dito isso de passagem num discurso.

      mas de qualquer maneira, continuam a ser todos judeus, os 4 promotores dessa teoria.

      o Freedman, talvez fosse mais sério e confiável que os outros 3, mas não é por isso que devemos levar à letra cegamente tudo o que ele diz.

      os judeus tinham interesse em criar essa teoria Khazar, para "diluir" o ódio goyim e o dito "anti-semitismo", amansar os goyim, além de criar um pretexto para justificar mais roubo de terras aos ucranianos, mais tarde.

      os semitas são brancos, sim. mas que dúvida é essa?
      branco é caucasiano. logo, todos os semitas são brancos. se é semita, é branco. se não é branco, não é semita.
      judeus loiros de olhos azuis (que são relativamente raros) explica-se pelas misturas com Europeus.

      ora, eu nem sequer digo que eles não tenham misturas khazares, mas não são essencialmente khazares nem se parecem com khazares.

      já que gostas do David Duke, então vê o que ele diz em relação à "teoria khazar":
      https://www.youtube.com/watch?v=EpfZASFIp2Y

      Eliminar
  8. Os sefarditas (negros) são semitas bem miscigenados com os jafetitas Askhenazis (brancos). Eles tem uma cor e pele do tipo "jambão" (hehehe...). São hebreus autênticos porém não fazem parte da Herança por não serem descendência de Jacó. Segundo as Escrituras Esaú (edomitas/sefarditas) vai desaparecer como povo por ter ido contra o seu irmão Jacó. Acredito que se cumpra um pouco antes do grande milênio de paz. Quanto a Freedman convenhamos é um peso "pesado" como testemunho positivo para crermos na teoria dos Khazares. Ele é um ex-judeu...da "gêma". Não me lembro de ter falado do ex- KKK David Duke...Não foi Dave Cole? Abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim, não foste tu que falaste no Duke.
      o comentário não era para ti, e sim para o Gang2 Ervilha que gosta do Duke...eu tirando a questão "Putin" e mais um ou outro pormenor, também gosto do Duke.

      os sefarditas não são "negros" coisa nenhuma.
      o Rockefeller e o Ovadia Iosef são dois exemplos de judeus sefarditas.

      a diferença entre os sefarditas e os ashkenazi é quase nula, se é que existe.

      olhando para o Rockefeller e para o Rothschild, ninguém consegue dizer qual deles é o sefardita.

      a mesma coisa para o Netanyahu ou para o Ovadia Iosef.
      qual é o sefardita e qual é o ashkenazi? alguém distingue? alguém sabe a diferença?
      balelas, tudo tretas. tudo invenções do judeu para baralhar, distrair e confundir os goyim.

      o Freedman podia ser um judeu anti-sionista legítimo. mas não nos esqueçamos que antes de ser anti-sionista, ele continua um judeu, e portanto, tem os seus próprios interesses individuais, e não se deve levar à letra tudo o que ele diz.

      isso do Jacó e do Esaú, é tudo tretas simbólicas.

      Eliminar
    2. Mas se olharmos para um judeu iemenita e um judeu da Europa, a diferença é colossal. Os sefarditas são os mais próximos de um judeu iemenita em aparência e costumes. Já Bernard Lazare, ele que é judeu, tinha notado uma diferença entre os sefarditas e askhenazes. Tanto que ele detestava os judeus askhenazes e elogiava os sefarditas.

      Existem estudos genéticos que vão contra a teoria dos Khazars, mas também existem tantos outros que são a favor da teoria.

      Existe um mito que eu descobri em relação a isso. Diz-se que foi uma teoria criada pelos bolcheviques para isto e para aquilo. Ora isso não é verdade. Descobri um livro de história de 1866 que já falava no tal "Reino dos Khazars", mas sem grande alarido, era também um historiador judeu, que descreve que houve reis convertidos ao judaísmo durante 3 séculos na Khazaria. Portanto em 1866, não existia nenhum bolchevismo nem comunismo algum. Karl Marx nem sequer tinha feito o 1º volume do seu "O Capital".

      Eu observo também que existe muitas querelas a esse sujeito entre sefarditas e askhenazes. Os sefarditas reivindicam-se como os verdadeiros descendentes dos judeus. O que até tem alguma lógica esta reivindicação, pois sendo os judeus orientais, logo buscaram, aquando do seu êxodo, terras com clima quente, terras condizentes com os seus temperamentos de tradição semita.

      Para mim, a abundância de judeu em terras europeias mediterrânicas, não me espanta nada. E depois da expulsão, foram para a Holanda, Inglaterra, Turquia, etc. Mas esse grande número de judeus em terras russas e arredores... é muito estranho. Há qualquer coisa que não bate certo. Eu se fosse um judeu, e se fosse obrigado a mudar de terra, nunca iria para esses lados de certeza absoluta! Escolheria um Portugal, uma Espanha, uma Grécia...mas nunca essas terras friorentas. Não é lógico ? Claro que sim.

      Também observei que os maiores defensores da "teoria Khazar" são os muçulmanos. Bem, normal, tentam defender as suas terras como podem e seja possível, mas têm os seus argumentos e apresentam muitos estudos genéticos nesse sentido tal e qual David Duke apresenta outros estudos que vão em sentido contrário.

      Também conheço um estudo, muito pouco falado, que diz que os povos que mais têm sangue judeu são os sírios, os jordanos, libaneses e palestinos. Tem algum sentido, pois foi dali que a judiaria veio e outra, são semitas, irmãos dos árabes.

      Eu não vou afirmar que esse Reino tenha existido, mas que acho bem estranho esse grande número de judeus nessas terras de clima frio, completamente contrárias ao clima quente de onde vieram, é mesmo muito estranho e deixa-nos com algumas interrogações. Eu tendo mais a crer na teoria Khazar do que a descrer.

      Isso de pensar que porque os askhenazes não são judeus e que portanto então não existem judeus e daí não poder haver anti-semitismo, não é válido. Ou de querer culpar o europeu dos males da Palestina, também não é válido. Olhemos que eu posso não ser árabe e seguir o Islão como crença, assim é a mesma coisa com qualquer pessoa que siga o judaísmo. O que conta é a ideologia que ela professa independentemente de crer nisto ou naquilo. Mas eu não vou culpar os árabes por aquele europeu ser muçulmano e ter-se explodido aí como um talíban. As pessoas têm consciência disso. Nunca ninguém irá culpar os europeus se porventura esses askhenazes forem europeus e terem roubado a Palestina. É uma questão de bom-senso, incontestável. E aliás, noto sempre isso nos discursos dos Sábios do Islão. Um que gosto muito é o Sheik Imram Hossein, que fala muito disso em algumas das suas conferências e faz sempre questão de pôr a limpo essa questão de culpar ou não culpar os europeus.

      Uma outra coisa, lendo aqui e ali, parece que foi uma minoria que se converteu ao judaísmo nesse dito Reino Khazar. Os cristãos eram em maior número que os próprios convertidos ao judaísmo.

      Eliminar
  9. Então Thor....dizer o que?...Vou respeitar os teus "achismos"...heh...Abraço!

    ResponderEliminar

É aconselhável o comentário tratar do assunto exposto no artigo, caso contrário, arrisca-se a não ser aprovado pelo Tribunal da Inquisição.